Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Drogas: o que diz o Papa Francisco

POPE FRANCIS AUDIENCE
Antoine Mekary | ALETEIA
Compartilhar

"Gradualmente, a pessoa aniquila-se e, ao mesmo tempo, destrói todos aqueles que a circundam"

A droga é “uma ferida na nossa sociedade”, é uma “nova forma de escravidão”, considera o Papa Francisco.

Em um discurso à Pontifícia Academia das Ciências, o Papa Francisco expôs suas preocupações sobre o tema das drogas.

A droga é uma ferida na nossa sociedade, que prende muitas pessoas nas suas redes. São vítimas que perderam a própria liberdade, caindo nesta escravidão, a escravidão de uma dependência que poderíamos definir «química». Indubitavelmente, trata-se de uma «nova forma de escravidão», como muitas outras que flagelam o homem de hoje e a sociedade em geral.

Segundo o Papa, não existe uma única causa que leva à dependência da droga, mas são numerosos os fatores que influenciam, entre os quais a falta de uma família, a pressão social, a propaganda dos traficantes, o desejo de viver novas experiências.

Cada toxicodependência traz consigo uma história pessoal diferente, que deve ser ouvida, compreendida, amada e, na medida do possível, sanada e purificada. Não podemos cair na injustiça de catalogar o toxicodependente como se fosse um objeto ou um mecanismo quebrado; para poder ser curada, cada pessoa deve ser valorizada e estimada. É a dignidade da pessoa que viemos procurar. Mais do que nunca, elas continuam a ter uma dignidade enquanto pessoas filhas de Deus.

Ainda de acordo com o Papa, não causa admiração que haja tantas pessoas que caíram na dependência da droga, porque a mundanidade nos oferece uma vasta gama de possibilidades para alcançar uma felicidade efémera, que no final se torna veneno que corrói, corrompe e mata.

Gradualmente, a pessoa aniquila-se e, ao mesmo tempo, destrói todos aqueles que a circundam. O desejo inicial de fuga, em busca de uma felicidade momentânea, transforma-se na devastação da pessoa na sua integridade, com repercussões sobre todas as camadas sociais.

O Papa afirma que é importante conhecer as proporções do problema da droga — que é destruidora, essencialmente destruidora — e, acima de tudo, a vastidão dos seus centros de produção e do seu sistema de distribuição. As redes que tornam possível a morte de uma pessoa.

Não a morte física, mas psíquica, a morte social. O descarte da pessoa. Redes imensas e poderosas, nas quais caem pessoas responsáveis na sociedade, nos governos e na família. Sabemos que o sistema de distribuição, ainda mais do que da produção, representa uma parte importante do crime organizado, mas um desafio consiste precisamente em encontrar o modo de controlar os circuitos de corrupção e as formas de lavagem de dinheiro. Visando esta finalidade, não há outro caminho a não ser aquele de remontar à cadeia que vai do comércio de drogas em pequena escala, até às formas mais sofisticadas de lavagem, escondidas no capital financeiro e nos bancos que se dedicam à lavagem de dinheiro.

Segundo Francisco, para impedir a exigência do consumo de drogas é necessário envidar grandes esforços e pôr em ação programas sociais a favor da saúde, da assistência familiar e principalmente da educação, que considero fundamental.

A formação humana integral é uma prioridade; ela oferece às pessoas a possibilidade de dispor de instrumentos de discernimento, com os quais podem descartar as várias ofertas e ajudar o próximo. Esta formação destina-se principalmente aos mais vulneráveis da sociedade, como podem ser as crianças e os jovens, mas é bom ampliá-la às famílias e a quantos padecem qualquer forma de marginalização.

No entanto, o problema da prevenção da droga como programa é sempre impedido por numerosos fatores de inépcia dos governos: por um setor governamental daqui, por outro dali. E praticamente não existem programas funcionais de prevenção da droga. Uma vez que se estabelece, que se radica na sociedade, tudo se torna muito difícil. Penso na minha pátria: há trinta anos era um país de trânsito; em seguida, de consumo e até um pouco de produção. E em apenas trinta anos! Este é o progresso que se alcança, graças ao comprometimento mafioso por parte dos responsáveis…

Francisco considera que, não obstante a prevenção seja o caminho prioritário, também é fundamental trabalhar em prol da reabilitação completa e segura das vítimas da droga na sociedade, para lhes restituir a alegria e para que recuperem a dignidade que um dia perderam. Enquanto não se proporcionar esta garantia, inclusive por parte do Estado e da sua legislação, a recuperação será difícil e as vítimas poderão ser revitimizadas.

O mais necessitado dos nossos irmãos, que aparentemente nada tem para oferecer, conserva um tesouro para nós: o rosto de Deus, que nos fala e nos interpela. Encorajo-vos a dar continuidade ao vosso trabalho e a concretizar, no limite das vossas possibilidades, as felizes iniciativas que tomastes ao serviço de quantos sofrem em maior medida neste campo de batalha. O combate é difícil, e sempre que alguém se expõe e começa a labutar, corre o mesmo risco daquele juiz na minha pátria, de receber uma cartinha com algumas insinuações. Mas só assim salvaguardamos a família humana, tutelamos os jovens, as crianças. Como se diz no campo: «Se defendo as crias, defendo o futuro». Não é um assunto de disciplina momentânea, mas uma questão que se projeta para a frente.