Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

Um planeta de resíduos: para onde vai tudo isso?

TRASH

Public Domain

Paul De Maeyer - publicado em 11/11/18

Segundo um relatório recente do Banco Mundial, em 2016 o mundo gerou 2,01 bilhões de toneladas de resíduos

“Sem ação urgente, o desperdício global aumentará em 70% até 2050 em comparação com os níveis atuais”.

Essa é a mensagem apresentada pelo Banco Mundial em seu novo relatório sobre o desafio global de eliminação de resíduos, publicado dia 20 de setembro de 2018, sob o título What a Waste 2.0: A Global Snapshot of Solid Waste Management to 2050, que em uma tradução livre significa “O que desperdício 2.0: Panorama Global da Gestão de Resíduos Sólidos para 2050”.

O novo documento, com quase 300 páginas (com anexos e tabelas), expressa preocupação com o aumento alarmante da quantidade de lixo em escala global.

“Resíduos que não foram coletados e resíduos que foram mal descartados, ambos têm impactos significativos na saúde e no meio ambiente. O custo de lidar com esses impactos é muitas vezes maior do que o custo de desenvolver e gerenciar sistemas simples e adequados de gerenciamento de resíduos”, de acordo com o principal autor do relatório, Silpa Kaza.

Aqui estão alguns dos fatos:

De acordo com um relatório financiado pelo governo japonês, que é apresentado como a continuação do documento já citado, em 2016, o mundo produziu 2,01 bilhões de toneladas de resíduos, um montante que na verdade aumentará para 3,4 bilhões de toneladas na metade do século.

Desta enorme massa, pouco mais de um terço, 34% ou 683 milhões de toneladas, é gerada em países de alta renda, mesmo que estes representem menos de um quinto da população do planeta (16%). No entanto, de acordo com o relatório, mais de um terço dos resíduos nos países ricos é recuperado por meio de métodos de reciclagem e compostagem.

Os dados coletados pelo Banco Mundial mostram que cada habitante do planeta gera uma média de 0,74 kg de lixo todos os dias, que a depender do país, pode variar de 0,11 kg a 4,54 kg. Enquanto a produção média per capita de resíduos urbanos aumentará em 20% nos países de alta renda até 2050,

 o Banco Mundial espera um aumento de cerca de 40% ou mais nos países de média e baixa renda.

Coleta e descarte

Um passo crítico no ciclo de gerenciamento de resíduos – continua o relatório – é a fase de coleta de lixo. Por exemplo, os países pobres ou de baixa renda coletam quase metade (48%) dos resíduos urbanos, mas esse percentual cai para pouco mais de um quarto (26%) nas áreas rurais. Globalmente, a África Subsaariana responde por menos da metade dos resíduos – 44% – enquanto nas regiões da Europa Central, Ásia e América do Norte essa participação aumenta para pelo menos 90%.

Novamente, em um nível global, cerca de 37% do lixo é descartado em algum tipo de aterro, 33% acabam em aterros ilegais ou descontrolados, outros 19% são recuperados através de processos de reciclagem e compostagem, e os 11% restantes são incinerados.

O relatório destaca que a maior categoria de resíduos é o desperdício global de alimentos e os resíduos verdes: os resíduos orgânicos são, na verdade, quase a metade (44%) da massa total. Outros 38% são resíduos sólidos recicláveis, nomeadamente plástico, papel e cartão, metal (por exemplo, latas de alumínio) e vidro.

Leste da Ásia e Pacífico

Esta região do mundo, que abriga 2,27 bilhões de pessoas e é composta por 37 países, incluindo a Austrália e vários estados insulares (estados independentes cujo território é composto de uma ilha ou um grupo de ilhas) do Oceano Pacífico, é a que em 2016 produziu a maior massa de resíduos: 468 milhões de toneladas, ou quase um quarto do total mundial. Enquanto 46% dos resíduos acabam em aterros controlados, pouco mais de um quinto é incinerado. A incineração é generalizada em países com baixa disponibilidade de terras, como o Japão (80%) ou Cingapura (37%).

Enquanto a quantidade média diária per capita de resíduos é de 0,56 kg, quase metade dos resíduos (47%) da região é criada na China. Além de ser o país mais populoso do mundo, o gigante asiático representa quase dois terços (61%) da população de toda a região. No entanto, a produção diária per capita na China está abaixo da média regional: 0,43 kg. De acordo com o relatório, esses dados refletem a quantidade muito pequena de resíduos gerados pela “significativa” população chinesa rural.

Europa e Ásia Central

Os 912 milhões de habitantes da região da Europa e Ásia Central, composta por 57 países, incluindo a Groenlândia e a Federação Russa, produziram um total de 392 milhões de toneladas de resíduos em 2016, uma média diária de 1,18 kg per capita. Nas áreas urbanas da região, esse número é um pouco mais alto: 1,28 kg.

A Europa e a Ásia Central reciclam e fazem compostagem de quase um terço (31%) de seus resíduos, mas, segundo o Banco Mundial, a região tem um potencial de reciclagem e compostagem muito maior: cerca de três quartos. A porcentagem de resíduos coletados na região é bastante alta: 90%. Essa proporção diminui para 55% no nível rural, mas aumenta para 96% no nível urbano.

América Latina e Caribe

Em 2016, os 638 milhões de habitantes dos 42 países da América Latina e do Caribe produziram 231 milhões de toneladas de resíduos, uma média diária per capita de 0,95 kg. Enquanto a produção de resíduos é maior em estados insulares com alta atividade turística, as praias das ilhas caribenhas são invadidas por resíduos plásticos transportados pelo mar.

No nível urbano, em países como o Uruguai e a Colômbia, a parcela de coleta de lixo é superior a 95%, mas na capital do Haiti, Porto Príncipe, essa proporção cai para 12%. Em relação à coleta de lixo, o relatório do Banco Mundial menciona os chamados coletores de lixo ou catadores. Enquanto em Cuzco, Peru, há, por exemplo, 175, esse número sobe para 20.000 na metrópole de São Paulo, Brasil.

O Oriente Médio e Norte da África

A região com a menor produção de resíduos de todo o mundo é a do Oriente Médio e Norte da África. Os cerca de 437 milhões de habitantes, espalhados por 21 países, do Marrocos ao Irã, geraram 129 milhões de toneladas de lixo em 2016, ou seja, uma média de 0,81 kg por pessoa por dia.

No entanto, espera-se que este montante duplique no meio do século, alertam os autores do relatório. De fato, nas cidades da região a produção de lixo já atinge uma média diária de 1,37 kg per capita e nos ricos estados petrolíferos do Golfo Pérsico, como Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Kuwait, já ultrapassa 1,5 kg per capita. Para uma comparação: no Marrocos, Djibouti e Iêmen, esse número é inferior a 0,6 kg por pessoa por dia.

América do Norte

Embora a região da América do Norte – composta apenas por três nações: Bermudas, Canadá e EUA – tenha 359 milhões de habitantes, menos de 5% da população mundial, ainda produz 14% dos resíduos do planeta: 289 milhões de toneladas, uma diária média de 2,1 kg per capita. As disparidades são impressionantes: os habitantes de Seattle, no Estado de Washington, geram em média per capita até 3,13 kg de resíduos por dia, enquanto os da capital do Canadá, Ottawa, não chegam nem a um terço disso, em outras palavras, 0,95 kg.

Na região, cerca de um terço do lixo é reciclado, cerca de 12% incinerado e em menos de 1% é feito compostagem, mas a situação é muito diferente nas Bermudas. Sendo uma nação insular no meio do Oceano Atlântico, com uma área muito pequena (apenas 53,3 km²), uma usina de lixo para energia foi construída em 1994, onde 67% dos resíduos são incinerados.

Sul da Asia

Com um total de 334 milhões de toneladas de resíduos, os cerca de 1,68 bilhão de habitantes do sul da Ásia produzem uma média de 0,58 kg de desperdício todos os dias. Além dos gigantes demográficos Índia, Paquistão e Bangladesh, esta área inclui também alguns países muito pequenos (o Butão e as Maldivas somam 1,2 milhões de habitantes). Este é um número muito baixo, mas prevê-se que duplique até o meio do século, de acordo com o Banco Mundial.

Enquanto mais da metade (57%) do lixo da região é composto por resíduos orgânicos, cerca de três quartos da massa total são descartados ao ar livre ou despejados, ou seja, não são adequadamente tratados e depositados em aterros controlados. No entanto, projetos destinados a melhorar a situação não faltam. Em mais de 4.000 cidades e áreas rurais da Índia, a iniciativa Swachh Bharat Abhiyan (traduzida como “Missão Índia Limpa”) foi lançada em 2014. O objetivo é limpar o lixo das ruas e melhorar a saúde e higiene do país.

África Subsaariana

A última região é a da África Subsaariana. Composta por 48 países, incluindo a Nigéria (mais de 190 milhões de habitantes) e a Etiópia (pouco mais de 100 milhões de habitantes), a região com 1,03 bilhão de habitantes é a que apresenta o maior crescimento. De acordo com as projeções, mais da metade do crescimento populacional global ocorrerá nesta região em 2050.

Em 2016, a África Subsaariana produziu 174 milhões de toneladas de lixo (o que significa uma média diária de 0,46 kg per capita), dos quais mais de dois terços (cerca de 69%) ainda são despejados ao ar livre. Espera-se, como resultado do crescimento populacional e de estilos de vida menos tradicionais, que a massa total de resíduos triplicará até 2050 na região.

Coletores de lixo

O relatório – além de dedicar espaço a várias iniciativas destinadas a reduzir as “perdas de alimentos e resíduos” (“food losses and waste” – FLW), incluindo a lei francesa de 2016 que exige que os supermercados doem os alimentos não vendidos para caridade, e o projeto BAMX (Banco de Alimentos do México) – também se concentra em um número muito difundido em várias regiões do mundo: coletores de lixo ou catadores. Por exemplo, em algumas grandes cidades da América Latina e do Caribe existem, em média, quase 4.000 trabalhadores de reciclagem.

Como o relatório revela, até o momento, mais de 15 milhões de pessoas em todo o mundo ganham a vida informalmente como catadores. Esta é uma categoria “vulnerável”, muitas vezes composta por mulheres, crianças, idosos, desempregados ou migrantes. Nas cidades de Laos, Vientiane e Cuzco, no Peru, as mulheres representam 50% e 80%, respectivamente, dos catadores.

Graças ao apostolado de Soeur Emmanuelle entre os catadores de lixo nos subúrbios do Cairo, o mundo tomou conhecimento das condições dramáticas da vida dos zabbalin ou catadores. Segundo o relatório, na capital egípcia, que hoje conta com 10 milhões de habitantes, cerca de 96 mil coletores informais ainda realizam seu trabalho humilde e subvalorizado, coletando 10% do lixo da cidade.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Meio ambiente
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia