Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Há 100 anos, o mundo escapou do suicídio – mas não aprendeu o suficiente

Collections Italiques
Compartilhar

As armas e o gás da I Guerra Mundial condenaram 133 milhões de pessoas à morte no século XX. Será que não aprendemos nenhuma lição?

Cem anos atrás, a civilização ocidental escapou, por pouco, do suicídio. Mas ainda não se recuperou totalmente.

Reproduzimos a seguir um texto de Jason Jones e John Zmirak, publicado por Aleteia em 28 de julho de 2014, a exata data em que o mundo recordava os 100 anos do início da I Guerra Mundial. Nesta semana, em 11 de novembro de 2018, acabamos de celebrar os 100 anos do seu final. As lições foram muito claras – mas a humanidade não as entendeu.

*

28 de julho de 1914: hoje faz 100 anos que o mundo acabou

Quando as armas austro-húngaras abriram fogo contra as forças sérvias, em 28 de julho de 1914, elas provocaram muito mais baixas do que os comandantes de cada lado poderiam imaginar: a queda do primeiro dominó levou inexoravelmente à morte de dez milhões de homens em combate, sem contar os civis que morreriam sob as forças alemãs ou de fome por causa dos bloqueios britânicos, nem as dezenas de milhões de pessoas que morreriam após o final da guerra devido à epidemia de gripe disseminada pelos soldados que voltavam para casa. Muitos outros milhões ainda morreriam vitimados pelo genocídio armênio e pela Guerra Civil Russa, que foram mais dois resultados diretos da Primeira Guerra Mundial.

A fome em massa na Ucrânia, o terror soviético, a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto: todas essas tragédias também brotaram das sementes plantadas há exatos cem anos. O historiador R.J. Rummel estimou, em sua obra “Death by Government” [Mortos pelo Governo], que cerca de 133,1 milhões de civis foram mortos intencionalmente por governos também civis ao longo do século XX: um número aterrador de assassinatos que teria sido simplesmente impensável para os cidadãos do mundo pacífico e próspero que vislumbramos nas histórias de Sherlock Holmes. A maioria dessas mortes foi resultado direto ou indireto da Primeira Guerra Mundial.

É difícil, para nós, imaginar o quanto o mundo era diferente em 1914 e o quanto foram chocantes as mudanças catastróficas impostas pela Primeira Guerra Mundial.

Antes da Primeira Guerra Mundial:

  • Pela Europa e pelo Oriente Médio, espalhavam-se minorias étnicas e religiosas que tinham vivido lado a lado e em relativa paz durante centenas de anos. Os fanáticos ódios étnicos provocados pela guerra levariam à cruel e generalizada “limpeza étnica” prolongada ao longo de décadas, de maneiras menos ou mais sangrentas, com as maiorias nacionais “purgando-se” das minorias, num processo que não terminaria até que prevalecesse uma sombria uniformidade e até que a maioria dos judeus da Rússia e da Polônia tivesse sido morta.
  • O nacionalismo era apenas uma fonte de lealdade política, em concorrência com outros princípios organizadores mais tolerantes, como a lealdade a uma dinastia ou ao governo. Os croatas foram fiéis a um imperador de língua alemã em Viena; centenas de milhares de judeus serviram fielmente ao Kaiser alemão.
  • O mundo muçulmano era infinitamente mais complexo e menos propenso ao extremismo do que se tornou nas décadas seguintes. Como Philip Jenkins documenta, o colapso do califado turco incitou os muçulmanos de todo o mundo a buscarem um novo princípio unificador, que muitos encontraram nas versões puritanas e intolerantes do islã – como a que daria à luz a Al-Qaeda.
  • Era comum o entendimento de que os governos desempenhavam um papel pequeno na vida dos cidadãos e na gestão da economia. O livre comércio, a moeda estável atrelada ao ouro e baixos impostos prevaleciam na maior parte do Ocidente, onde a imprensa era majoritariamente livre e as pessoas podiam viajar de Londres a Vladivostok sem necessidade de passaporte.
  • Os cidadãos podiam guardar dinheiro para o futuro com segurança, sabendo que a sua poupança manteria o valor original e que os seus investimentos seriam protegidos por governos que respeitavam a propriedade privada.

Poderíamos continuar descrevendo, ao longo de páginas e páginas, todos os valores que foram esmagados pela Primeira Guerra Mundial como se fossem uma grande catedral destruída por uma bomba. Os historiadores passarão séculos desembalando as passionalidades que se desencadearam sobre o mundo quando os sistemas de ordem que tinham governado o Ocidente durante centenas de anos se estraçalharam de repente.

As apostas imprudentes que foram feitas em 1914 por parte de estadistas famintos de prestígio ou ansiosos para unir os seus países com vínculos de ódio contra inimigos comuns transformaram a ordem da Europa em anarquia. No meio do caos, bandidos chegaram ao poder: figuras que antes estavam à margem, como Vladimir Lenin, Benito Mussolini e Adolf Hitler. Doutrinas ultrajantes e implausíveis como o bolchevismo e a adoração racista alemã se transformaram em religiões oficiais de nações poderosas e enormes, que desataram as suas próprias inquisições. Os ecos da sua maldade nos atingem até hoje, torturando o povo da Coreia do Norte e de Cuba e forçando as mulheres a abortarem seus filhos na China. O tirano ferido que é a Rússia de Vladimir Putin continua deformado e envenenado por setenta anos de tirania, dos quais (as taxas de natalidade não mentem) ela pode nunca se recuperar.

A ordem do mundo de hoje é quase tão frágil quanto a ordem que prevalecia em 1914. Precisamos ser extremamente cuidadosos. Quando estadistas prometem que uma guerra será “curta e limitada”, nós temos que nos lembrar de que a maioria das tropas que marcharam em agosto de 1914 também tinham a “certeza” de que estariam de volta para o Natal em casa. Em um nível mais profundo, precisamos restaurar o rico e generoso código moral que permaneceu em vigor ao longo de muitos séculos na Europa cristã, reconhecendo a sacralidade da vida individual e os direitos não negociáveis ​​da pessoa humana à liberdade política, religiosa e econômica.

Estas foram as verdades que o homem ocidental esqueceu, em massa, há exatos cem anos. E, a menos que queiramos cair de novo na trincheira sangrenta da história, precisamos aprender com urgência as suas lições.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.