Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Moderano
Atualidade

Poluição do ar - o assassino silencioso em nosso meio

AIR POLLUTION,CARS,HIGHWAY

MONEY SHARMA | AFP

Paul De Maeyer - publicado em 18/11/18

O ar poluído é responsável por 7 milhões de mortes a cada ano

A Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou no início de novembro a primeira “Conferência Global sobre Poluição do Ar e Saúde”, em sua sede em Genebra, na Suíça.

O objetivo da convocação internacional foi a luta contra a poluição do ar, que é uma das principais causas de morte prematura em nível global e é causada – embora não exclusivamente – por fontes antropogênicas, especialmente da indústria, do tráfego e até mesmo de fontes domésticas, como se aquecer ou cozinhar.

Estatísticas da Organização Mundial de Saúde

Que o impacto da poluição do ar não deve ser menosprezado é demonstrado pelos dados publicados em maio passado pela agência especial das Nações Unidas. Isso mostra, por exemplo, que nove entre dez pessoas no mundo respiram ar poluído.

Chamado de assassino silencioso, o ar poluído que respiramos causa cerca de 7 milhões de mortes por ano em todo o mundo, segundo a OMS. Um dos ingredientes que torna a poluição atmosférica muito insidiosa é especialmente o notório PM2,5 ou “partículas finas”, que, com um diâmetro de menos de 2,5 mícrons, podem penetrar nos pulmões e no sistema cardiovascular, causando graves doenças, como doença cardiovascular ou câncer de pulmão.

Segundo estimativas, em 2016, cerca de 4,2 milhões de mortes foram causadas pela poluição atmosférica externa, enquanto a poluição interna causou mais 3,8 milhões de mortes. No que diz respeito à poluição interna ou “doméstica”, estima-se que ainda cerca de 3 bilhões de habitantes do planeta – ou mais de 40% da população global – ainda não tenham acesso a combustíveis limpos e a sistemas eficazes de cozinha em casa.

“É inaceitável que mais de 3 bilhões de pessoas – principalmente mulheres e crianças – ainda respirem fumaça letal todos os dias usando fogões poluentes e combustíveis em suas casas”, disse o diretor-geral da OMS, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um comunicado à imprensa. Mais de 90% das mortes relacionadas à poluição ocorrem em países de baixa e média renda, especialmente na África e na Ásia.

Poluição da cidade

No banco de dados da OMS, que atualmente é o “mais abrangente do mundo” em poluição do ar, os dados fluem de 4.300 cidades em 108 países ao redor do mundo.

“Muitas das megacidades do mundo ultrapassam os níveis de referência da OMS para qualidade do ar em mais de 5 vezes, representando um grande risco para a saúde das pessoas”, disse Maria Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública, Determinantes Sociais e Ambientais da Saúde da OMS. Ela observou, no entanto, “uma aceleração do interesse político neste desafio global de saúde pública”.

Um dos países do mundo com os níveis mais dramáticos de poluição atmosférica é a China. Apesar do progresso feito na luta contra a poluição, bem na região metropolitana de Jingjinji – ou seja, na região da capital, incluindo Pequim, a cidade de Tianjin e a província de Hebei – o valor médio anual de PM2,5 excede microgramas (μg) por metro cúbico, o limiar de 10 μg estabelecido pela OMS, relatou o jornal Neue Zürcher Zeitung (8 de outubro).

Motores a diesel

Os motores a diesel consomem relativamente pouca energia e também são eficientes, mas emitem mais quantidades de dióxido de nitrogênio (NO2) e partículas finas em comparação com outros motores. Atingindo os holofotes após o escândalo Dieselgate, que abalou a montadora alemã Volkswagen, muitas cidades do mundo começaram a proibir carros com motores a diesel.

Enquanto os prefeitos de quatro capitais do mundo – Atenas, Cidade do México, Madri e Paris – anunciaram na conferência C40 Mayors Summit 2016, realizada na Cidade do México em dezembro de 2016, que a circulação de motores a diesel seria proibida; também em fevereiro, a justiça alemã deu luz verde ao bloqueio de veículos movidos a diesel.

O Bundesverwaltungsgericht, isto é, o tribunal administrativo federal com sede em Leipzig, estabeleceu que as cidades alemãs individuais – neste caso, Düsseldorf (capital do Estado da Renânia do Norte-Vestefália) e Stuttgart (capital do estado de Baden-Württemberg) – podem proibir a circulação de carros com motores a diesel mais antigos e mais poluentes: aqueles com a homologação Euro 4 e Euro 5.

O assunto do bloqueio de carros a diesel é muito controverso na Alemanha e desempenhou um papel importante nas eleições regionais que ocorreram em 28 de outubro em Hesse, onde o governo de coalizão da chanceler Angela Merkel sofreu uma perda devastadora.

Asma

Os gases de escape dos motores a diesel são, devido à presença de NO2, relacionados ao início da asma, mas o dióxido de nitrogênio não é o único culpado. Um novo estudo publicado em 24 de outubro na revista Environmental Health Perspectives calculou quantas pessoas a cada ano acabam em uma sala de emergência por causa de ataques de asma desencadeadas por três poluentes (antropogênicos e naturais): dióxido de nitrogênio (NO2), ozônio (O3 ) e, finalmente, partículas PM2,5.

A partir dos dados coletados pela equipe liderada por Susan Anenberg, da Escola de Saúde Pública do Instituto Milken em Washington, D.C., por exemplo, emerge que as concentrações de ozônio causam de 9 a 23 milhões de visitas ao pronto-socorro a cada ano, ou de 8 a 20% de todas as visitas por causa da asma. A PM2,5, por outro lado, causa 5 a 10 milhões de visitas e o dióxido de nitrogênio de 0,4 a 0,5 milhão.

Enquanto 12-30% de todos os ataques de asma podem ser atribuídos ao ar poluído, quase metade (48%) dos atendimentos de emergência por ataques de asma relacionados ao ozônio e mais da metade (56%) de ataques de asma atribuíveis a PM2,5 foram registrados no Sudeste Asiático (incluindo a Índia) e nas regiões ocidentais do Pacífico. Quanto à Europa, o estudo sugere que ozônio e PM2,5 foram responsáveis ​​por 7-18% e 2-4% de todas as visitas de emergência por causa da asma na região.

Estima-se que em 2015 aproximadamente 358 milhões de pessoas sofreram de asma, das quais 14% eram crianças. A doença, como lembrou o estudo na introdução, é a quarta causa de anos de vida vividos com deficiências em crianças de 5 a 14 anos, e a 16ª causa em todos as faixas etárias.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Meio ambienteSaúde
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia