Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

1 ano da tragédia do submarino: a Missa que antecedeu a surpresa das famílias

ARA SAN JUAN
AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH
Compartilhar

O dia seguinte traria uma notícia ao mesmo tempo dilacerante e pacificadora para os familiares dos 44 tripulantes argentinos desaparecidos

Familiares, amigos e companheiros dos 44 tripulantes do submarino argentino ARA San Juan, assim como autoridades civis e militares do país, participaram da Santa Missa celebrada na Base Naval de Mar del Plata nesta última quinta-feira, 15 de novembro, pelo bispo castrense dom Santiago Olivera. A data marcava o primeiro aniversário do desaparecimento do submarino.

Em sua homilia, dom Olivera destacou:

“É uma oportunidade dolorosa para agradecermos e valorizarmos a missão de homens e mulheres do nosso país, que, respondendo com generosidade à vocação de serviço e de amor à pátria, são capazes de dar tudo – até a própria vida (…) Com a experiência de que nenhuma palavra é suficiente, queremos estar presentes e acompanhá-los”.

O bispo leu o nome de cada um dos membros desaparecidos da tripulação e garantiu que nenhum deles foi esquecido:

“Eles ofereceram a vida para cumprir o dever, em manifestação concreta da vocação abraçada”.

Ao terminar a homilia, dom Olivera pediu a Nossa Senhora, através da advocação “Estrela do Mar” (“Stella Maris“), usada devocionalmente pela Armada Argentina, que interceda junto a Deus para que Ele dê “forças, esperança e perseverança nesta caminhada“.

Os participantes da Santa Missa possivelmente não imaginavam que a jornada seguinte lhes traria uma notícia ao mesmo tempo surpreendente, dilacerante e pacificadora: o submarino, desaparecido havia um ano e um dia, finalmente seria encontrado. Eles terão agora uma nova chance de entender o que houve com seus entes queridos. Saber onde estão os seus corpos representa uma etapa crucial na assimilação da tragédia e na vivência do luto.