Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas por terroristas

missionárias mártires iêmen
Missionárias da Caridade
Compartilhar

Religiosas da Madre Teresa de Calcutá foram assassinadas no país que sofre hoje a pior crise humanitária do planeta

O mundo observa hoje, num misto de estarrecimento e passividade, escândalo e covarde omissão, a infame guerra imposta em grande medida pela Arábia Saudita ao povo do Iêmen, um dos países mais pobres da Terra e, atualmente, o cenário da maior calamidade humanitária que tortura um povo em nosso planeta.

Ontem mesmo (21/11) foi noticiado mundialmente um relatório da organização Save the Children segundo o qual a quantidade de crianças iemenitas menores de 5 anos que morreram DE FOME no país nestes últimos 3 anos de guerra pode ultrapassar o bárbaro número de 85 mil.

O caos no Iêmen já vem de anos e também engloba covardes atentados terroristas, como o que atingiu em 4 de março de 2016 as Missionárias da Caridade, conhecidas em todo o mundo como as freiras da Madre Teresa de Calcutá. Na ocasião, a casa das religiosas, que abrigava idosos e pessoas com necessidades especiais na cidade de Aden, foi atacada por terroristas islâmicos que sequestraram um sacerdote e assassinaram 16 pessoas, entre elas quatro missionárias: as irmãs Anselma, Judite, Margherita e Reginette. Duas delas eram de Ruanda, uma do Quênia e a outra da Índia.

Apesar da violência sofrida, as Missionárias da Caridade anunciaram que não iriam abandonar o Iêmen.

Dom Paul Hinder, vigário apostólico para o Sul da Península Arábica, testemunhou a respeito:

“As Missionárias da Caridade morreram como mártires da caridade: como mártires porque foram testemunhas de Cristo e compartilharam a sorte de Jesus na Cruz”.

Ele também revelou que, pouco antes do martírio, as religiosas tinham rezado esta oração:

“Senhor, ensinai-me a ser generosa.
Ensinai-me a servir-Vos como Vós mereceis;
a ofertar sem calcular o custo;
a lutar sem reparar nas feridas;
a trabalhar sem procurar descanso;
a trabalhar sem pedir recompensa.
Amém”.

Oremos também pelo martirizado povo do Iêmen, suplicando que Deus lhe conceda com urgência o presente da paz.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.