Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Os lobos são mais temíveis, mas as moscas perturbam mais”

SAINT FRANCIS OF ASSISI
Compartilhar

Um dos maiores mestres da espiritualidade em toda a história nos recorda o óbvio: é mais fácil resistir às grandes tentações do que às pequenas

São Francisco de Assis é o protagonista de uma das mais clássicas histórias católicas nas quais aparece a figura do lobo: o caso do lobo de Gubbio, que ele teria amansado (cf. imagem ilustrativa). Mas a mesma figura do lobo, em outro contexto, é usada por outro Francisco em uma frase que também se tornou clássica em nossa espiritualidade:

“Os lobos e os ursos são mais temíveis do que as moscas; mas as moscas perturbam mais e desafiam mais a nossa paciência”.

Esse outro Francisco é São Francisco de Sales, um dos maiores mestres da espiritualidade católica em todos os tempos. Sua obra mais conhecida é “Filoteia ou Introdução à Vida Devota“, e é dela que vem essa frase e a seguinte explicação:

Os lobos e os ursos, sem dúvida, são mais temíveis do que as moscas; mas as moscas perturbam mais e desafiam mais a nossa paciência.

É fácil não cometer um homicídio; mas é difícil repelir continuamente os pequenos ímpetos de raiva, que nos surgem em todas as ocasiões.

É fácil para um homem ou para uma mulher não cometer adultério; mas não há a mesma facilidade em conservar a pureza dos olhos, em não dizer nem ouvir com prazer adulações, galanteios, em não dar nem receber amor ou pequeninas provas de amizade. É bem fácil não dar rival ao marido, nem rival à mulher, no tocante ao corpo. Mas não é tão fácil não o dar no tocante ao coração. É bem fácil não manchar o tálamo nupcial, mas bem difícil manter ileso o amor conjugal.

É fácil não furtar os bens do próximo; mas é árduo não os desejar nem cobiçar. É fácil não levantar falsos testemunhos em juízo; mas é difícil não mentir em simples conversas; é fácil não embriagar-se, mas difícil ser sempre sóbrio; é bem fácil não desejar a morte ao próximo, mas difícil não desejar a sua incomodidade; é fácil não difamar alguém, mas difícil não desprezar.

Enfim, essas pequenas tentações de cólera, de suspeitas, de ciúmes, de invejas, de amizades tolas e vãs, de duplicidades, de vaidade, de afetação, de artifícios, de maus pensamentos, tudo isso forma o exercício cotidiano, mesmo das almas mais devotas e resolvidas a viver santamente.

Por isso, Filoteia, ao mesmo tempo em que devemos mostrar-nos generosos em combater as grandes tentações quando aparecem, também é muito necessário nos prepararmos cuidadosamente para as pequenas tentações, convictos de que as vitórias que assim obtivermos sobre os nossos inimigos acrescentarão outras tantas pedras preciosas à coroa que Deus nos prepara no paraíso.