Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

5 santas que podem ajudar com as dificuldades que enfrentamos como mulheres

PD
Compartilhar

Seja qual for o seu sofrimento, essas sábias “irmãs mais velhas” entendem e podem ser poderosas ajudantes

Que mulher já não sentiu o peso do mundo em seus ombros em algum momento? Para lidar com as pressões diárias, inspire-se na vida de algumas dos grandes santas.

Esperando por uma criança: Santa Opportuna de Montreuil

Depois de esperar uma criança por vários anos, Caroline se voltou para Santa Opportuna. Uma humilde mulher cheia de vida, Santa Opportuna era uma abadessa do século XIII, que é bastante eficaz para ajudar as mulheres a engravidar. Alguns casais que desejam uma criança viram seus sonhos concedidos através de sua intercessão poderosa.

Caroline explica: “Nós olhamos para ela para nos acompanhar durante esta longa jornada. Todas as noites durante nossas orações, confessamos à intercessão de Santa Opportuna o nosso desejo de ter um bebê. Também oramos muitas novenas junto com as irmãs da abadia de Notre-Dame d’Argentan, onde Santa Opportuna foi uma das primeiras abadessas. Isso nos deu muita força e nos permitiu permanecer unidos durante o longo tempo de espera. Depois de dois anos e meio, finalmente tivemos o prazer de esperar nosso filho. Santa Opportuna ainda está presente em nossas orações hoje”.

Invocar um santo permite que você não só seja ajudado, mas, também, como demonstra a experiência de Caroline, sentir-se apoiado em esperança quando toda a esperança parece perdida. O ato de rezar diariamente com o marido para Santa Opportuna permitiu que o casal aguentasse e permanecesse aberto para receber o presente de Deus – a criança.

Ser mãe “no seu melhor”: Virgem Maria

Uma vez que uma mulher se torna mãe, os medos e as preocupações continuam, muitas vezes até crescem em profundidade. Não é mais apenas uma vida que devemos cumprir e levar à eternidade, mas duas ou três, ou mesmo mais…

Maria, mãe de dois filhos que se define como “mãe e esposa em 300%”, é apoiada pela presença da Virgem Maria em sua vida diária. “Com meus pais sendo espanhóis, a Virgem é praticamente onipresente na minha cultura. Eu tive a sorte de ter uma avó que mostrou grande devoção à Virgem e que me disse para confiar nela em qualquer situação”. Impaciente por natureza, Maria sempre admirou a Santa Mãe por “sua doçura excepcional”. Ela é, portanto, o exemplo perfeito – para Maria e para todas as mães do mundo – para quem quer ser o melhor para seus filhos!

Como Maria nos explica com um toque de diversão: “Quando eu era jovem, eu tinha uma pulseira que dizia ‘O que Jesus faria’. Desde que me tornei mãe, eu sonho em ter uma pulseira dizendo ‘O que a Virgem Maria faria’!”. Esse desejo de fazer o nosso melhor é bom e saudável, mas tenha cuidado para não ser muito exigente com você mesma, como um padre lembrou Maria durante uma confissão.

“Eu disse ao padre que eu ainda não sentia como se eu fosse uma boa mãe para meus filhos. Eu sempre me lembro de sua resposta: ‘Você realmente acha que a Virgem Maria sempre sentiu que ela estava no topo com seu filho Jesus?’”. Peggy, de 38 anos, também recebe um “impulso” diário pela Abençoada Vida da Virgem: “Nos piores momentos em uma situação, eu digo a mim mesma que Maria, cheia de graça, nos sustenta”.

Se a Virgem Maria é inspiradora para tantas mulheres, talvez seja porque ela simplesmente soube “dizer ‘sim’ ao plano do Senhor”, explica Peggy. “Como mãe do Filho de Deus, ela aceitou tudo: a fuga, o exílio, a rejeição provável dos outros, o medo por seu filho… Ela viu o filho sofrer por nós e ainda permaneceu presente, sempre: antes e depois da ressurreição também, todos os dias depois. Para mim, ela é o exemplo do amor e da graça”.

Ela é para nós, mulheres e também mães, “a Mãe de todas as mães”, a quem podemos pedir para guiar e iluminar nossas vidas por sua suave luz. Peggy não hesita em pedir-lhe diariamente, “orientar a sua oração e seus atos, interceder por ela quando está faltando amor, paciência…”.

Lidando com a adversidade: Santa Joana d’Arc

Com a tenra idade de 18 anos, Marie-Alix, aluna de enfermagem, ainda está longe de estar preocupada com pensamentos de mães atarefadas. No entanto, ela se preocupa muito com o futuro da nossa sociedade e os 2.000 anos de catolicismo que foram testados nos últimos anos na França. A jovem nos disse: “Todos os dias, no final das minhas orações diárias, eu digo ‘Santa Joana d’Arc, reze por nós e salve a França. Eu me sinto encorajada a lutar pelo meu país e não ficar de braços cruzados. Santa Joana d’Arc é importante para mim para garantir que nossos valores religiosos sejam respeitados”.

Por que Santa Joana d’Arc? “Desde que eu era pequena, eu sempre me sentia perto dela e ela foi minha santa padroeira”. Assim como Marie-Alix, há muitos que dizem que sua devoção a um santo particular aconteceu com bastante naturalidade, que era quase óbvio. Há momentos em que uma vida toca outra pela graça de Deus.

Desenvolvendo fé e humildade: Santa Bernadette

Isabelle tem 53 anos e é mãe de 3 filhos. Ela também é uma oblata (leigo que se oferece para servir em uma ordem religiosa) em uma comunidade religiosa. Quando jovem, encorajada por sua avó, escolheu rezar para Santa Bernadette e Santa Teresinha, que “se tornaram minhas grandes irmãs e ainda me apoiam até hoje”. Ela acrescenta: “admiro a simplicidade infantil e a fé delas durante suas provações. Eu rezo para elas, que sofreram tanto, em tempos difíceis – por exemplo, a saúde. Também peço a intercessão delas para aumentar minha fé e minha humildade no serviço para com meus irmãos e irmãs”.

Quando ela era pequena, Isabelle perguntou a seus pais por que eles não a chamavam de Bernadette. Achando a pergunta um pouco inconveniente, seus pais responderam: “Quando você crescer, você pode mudar seu primeiro nome se quiser…”.

E todo mundo esqueceu o incidente. “Até o dia em que, pensando em ter uma vocação religiosa, bati na porta de uma comunidade religiosa. A santa padroeira do noviciado era… Santa Bernadette. Poucos meses depois, vesti meu hábito e tomei o nome de Irmã Marie-Bernadette. Um pequeno agrado para a minha ‘grande irmã’”.

Nunca desiste apesar das dificuldades: Santa Rita

Enora está esperando seu quarto bebê depois de receber uma criança com deficiência na família. Apesar de alguns momentos dolorosos, ela ainda busca forças em Santa Rita, de quem ela sempre parece encontrar energia e conforto. “Eu realmente amo Santa Rita. Em suas próprias lutas pessoais, ela nunca desistiu de Deus e sempre confiou nele. Adoro pensar que minha vida diária às vezes é mais próxima da dela que de outros santos, como Santa Teresa, cujas vidas parecem mais afastadas das minhas. Rezo a novena de Santa Rita especialmente durante tempos difíceis”.

Antes de se tornarem santas, essas mulheres de Deus eram comuns, assim como nós. Elas tiveram seus momentos de dificuldade e alegria, suas emoções e suas vidas diárias. Quando um santo levou uma vida, ou teve uma experiência semelhante à nossa, isso pode realmente nos aproximar dele; eles “falam para nós”, como explica Enora.

“Santa Rita tinha vivido a vida diária como esposa com um marido que não estava na mesma jornada espiritual. Ela me inspira porque experimentou a mesma vida que uma mãe com crianças, que nem sempre eram fáceis e que lhe davam muita preocupação. Passamos por muitas preocupações. Pedir a sua intercessão me ajudou muito”.

As vidas dos santos são nossas vidas… na força, na beleza, na luz. Eles refletem nossas vidas à luz de Jesus Cristo. Nunca devemos esquecer que todos somos chamados a ser santos. Devemos também lembrar que todos começamos com o mesmo fundamento único: o amor incondicional de nosso Senhor. A questão é: o que devemos fazer com esse amor? Como devemos responder a esse desafio? Nada é óbvio. Então, quando tudo fica complicado, talvez devamos aprender a confiar humildemente sobre a ternura desses santos, que estão perto de nós, porque eles compreendem nossas alegrias e nossos sofrimentos.

Texto original escrito por: Claire de Campeau

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.