Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconPara Ela
line break icon

Novo estudo encontra o elo perdido entre mulheres e ciência

Courtney Rust | Stocksy United

Joanna Kiszkis - publicado em 25/11/18

As meninas são menos propensas a entrar em campos como ciência, tecnologia, engenharia e matemática, mas a pesquisa mostra que a confiança, e não a aptidão, é a razão disso

Meninas de até 6 anos pensam que são menos inteligentes que os meninos – segundo a descoberta de cientistas que publicaram sua pesquisa na revista Science.

Todos nós sabemos, e foi falado por muitos anos, que não há mulheres na ciência. É comum pensar que os assuntos mais “difíceis”, como matemática, física, tecnologia, até mesmo filosofia, são domínio dos homens. Além disso, mais de 95% das mulheres nunca ouviram falar de uma cientista do sexo feminino além de Marie Curie.

Mulheres e ciência

Mais de uma centena de anos atrás, um eminente físico polonês chamado Marian Smoluchowski disse: “Todos os obstáculos externos e superstições ridículas, essas crenças desatualizadas que bloqueiam o acesso das mulheres a certas instituições científicas e que tornam a educação das mulheres, o trabalho de pesquisa e o acesso à universidade mais difícil, devem desaparecer!”.

Os autores americanos do estudo observaram os motivos pelos quais as meninas entre 5 e 6 anos começam a pensar que os meninos são mais inteligentes.

Quais são as consequências? Já nessa idade, as meninas começam a evitar jogos inteligentes para crianças. E, embora não haja nenhuma prova de que elas teriam dificuldade com isso, as próprias meninas podam suas chances de desenvolver esses talentos. E esse estereótipo afeta suas oportunidades de vida futura e carreira.

Mulheres e autoconfiança

Parece que cem anos após o diagnóstico correto do professor Smoluchowski, não só as mulheres ainda são menos propensas a se tornarem cientistas, mas nós, desde a primeira infância, nos impedimos de progredir.

O que causa isso? É uma doença transportada em nossos genes de geração em geração, de avós para mães, mães para filhas?

Talvez a causa seja a crença de que as meninas, e as mulheres, devem ser essencialmente modestas, não devem se gabar e devem conhecer seu lugar. Talvez seja daí que venha o nosso eterno abandono, o nosso trabalho silencioso e difícil nos bastidores dos grandes eventos.

No entanto, um recente estudo da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) descobriu que as disparidades de gênero no desempenho acadêmico – particularmente em matemática – não derivam de diferenças de aptidão inatas, mas “das atitudes dos alunos em relação à aprendizagem e seu comportamento na escola, de como eles escolhem passar o tempo de lazer e da confiança que têm”.

A OCDE também culpou os pais e professores por terem baixas expectativas para meninas. Mas outra razão significativa foi que as meninas estariam menos dispostas a falhar. “Quando os alunos estão mais confiantes de si mesmos, eles se dão a liberdade de falhar, se engajam nos processos de teste e erro que são fundamentais para adquirir conhecimento em matemática e ciência”, observou o mesmo estudo.

As mães conhecem melhor os filhos e podem reconhecer suas habilidades e preferências muito cedo. Senhoras, mães atuais e futuras, vejamos nossas filhas de perto. Talvez aquela garotinha que acabou de ganhar no jogo da velha com você será uma destinatária do Prêmio Nobel. Vamos aumentar sua confiança e ensiná-la a não ter medo de falhar.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CiênciaEducaçãoMulher
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia