Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como escolher padrinhos de Crisma e Casamento

Artur Nowacki/Flickr
Compartilhar

Os padrinhos não são pessoas que vão apenas enfeitar o altar!

Alguns dos sacramentos da Igreja nos permitem escolher padrinhos. Mas nem sempre levamos em consideração o ponto fundamental, segundo a Igreja, para fazer essa escolha. Além disso, às vezes não cumprimos bem nosso papel de afilhados.

Pra entenderemos melhor tudo isso, conversamos com Pe. Camilo Junior, membro da Comissão Jovens de Maria. Se liga na explicação:

Como escolher os padrinhos

Dentro da nossa vivência de fé, os padrinhos são aqueles que precisam nos ajudar a caminhar com Cristo e assimilar os valores de Jesus em nossa vida. São tão importantes porque esse não é apenas um título que nós damos a eles, mas uma missão que lhes é dada por Deus.

Por isso, entenda os pontos fundamentais para essa escolha:

Crisma – a escolha não pode ser feita somente porque a pessoa é amiga, porque é simpática e a gente se dá bem, mas precisa ser alguém que, para mim, é um referencial de fé. Alguém que, acima de tudo, vive a fé em comunidade e que vai me ajudar, como crismado, a dar testemunho e a perseverar na consagração da minha vida que, um dia, lá quando criança, meus pais e padrinhos de Batismo me deram.

Casamento – os padrinhos não são pessoas que vão apenas enfeitar o altar; são pessoas que vão ajudar os casais a viverem a aliança do amor. Por isso, é importante que sejam escolhidos casais que já vivam essa experiência há mais tempo. Assim, poderão ensinar aos recém-casados a como superar as crises, como vencer as dificuldades, como não dar importância àquilo que, às vezes, não significa nada e entender a importância de rezar o amor que, em Cristo, os uniu para a vida inteira.

O papel do afilhado

Ao mesmo tempo em que os padrinhos deveriam se dedicar e ser presença na vida dos afilhados, nós também devemos, como afilhados, procurar ser presença na vida dos nossos padrinhos.

É importante que, mesmo que não tenhamos sido nós que escolhemos os padrinhos de batismo, por exemplo, tenhamos essa relação de entender que, através dos nossos padrinhos, a graça de Deus chegou à nossa vida e, por eles, essa graça continua nos atingindo. Por isso, precisamos ter duas atitudes para com nossos padrinhos:

Pedir a bênção – todas as vezes em que pedimos bênção aos padrinhos, estamos renovando a graça de Deus presente em nós por meio do sacramento que recebemos, dos quais eles foram testemunhas.

Pedir e ouvir seus conselhos – Se nós escolhemos padrinhos para testemunhar um dom de Deus em nossa vida nos sacramentos, nós precisamos, com muita humildade, nos colocar debaixo de suas mãos, pois eles têm o poder e a missão sagrada de nos abençoar. Assim, eles podem nos conduzir diante de uma escolha, diante de uma renúncia na vida que a gente precisa fazer e até mesmo num momento em que precisamos de uma chamada de atenção.

(via Jovens de Maria)