Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Apagões e falta d'água agravam situação de hospitais na Venezuela, diz ONG

VENEZUELA

Shutterstock-Edgloris Marys

Agências de Notícias - publicado em 30/11/18

Documentou-se uma redução de 51% em 20 dos insumos "imprescindíveis" em áreas de emergência

Afetados por uma escassez crônica de insumos, os hospitais públicos venezuelanos veem agravada sua situação pelos apagões e os cortes no abastecimento de água, revelou nesta quinta-feira (29) um estudo feito por uma ONG.

De 40 hospitais monitorados entre 10 e 16 de novembro, 67% apresentaram “algum tipo de falha” elétrica, com média de duas horas sem serviço durante a semana, expôs o diretor da organização Médicos pela Saúde, Julio Castro.

“Depois dos apagões, 32% reportaram falhas em equipamentos de assistência vital como ventiladores mecânicos”, destacou Castro, cujo estudo abarca os maiores centros médicos do país.

Além disso, 70% destes estabelecimentos tiveram “cortes d’água” durante a semana da consulta, realizada desde 2014 diante da falta de cifras oficiais e avalizada pelo Parlamento, de maioria opositora.

Deste percentual, 8% não tiveram “nenhum abastecimento”, enquanto outros foram abastecidos com caminhões-tanque.

O hospital Universitário de Caracas, por exemplo, faz parte de um grupo de centros que passou em média de três a cinco dias sem água no período avaliado, “sem suporte alternativo”.

No edifício de 11 andares, a interrupção do serviço é frequente, disse à AFP o sindicalista Dennis Guedez. Por isso, “além de uma lista de insumos, pede-se água aos pacientes que vão para o centro cirúrgico”, acrescentou.

– Déficit de insumos –

O governo do presidente Nicolás Maduro costuma atribuir as falhas elétricas a “sabotagens”, mas especialistas vinculam a crise dos serviços públicos à falta de manutenção, ausência novos investimentos e à corrupção.

Os racionamentos de água também são comuns, a ponto de o estado petroleiro de Zulia (noroeste), afetado por apagões constantes, ter sido declarado em 19 de novembro passado em emergência devido a falhas na distribuição de água potável.

Na ocasião, a pesquisa teve um alcance limitado, pois não foram incluídos hospitais pequenos, nem clínicas particulares por dificuldades para obter a informação.

No entanto, corroborou-se que a situação na rede pública continua sendo crítica pela falta de insumos e remédios.

Documentou-se uma redução de 51% em 20 dos insumos “imprescindíveis” em áreas de emergência e 38% nos 12 exigidos em centros cirúrgicos. “Se falta algum, não se pode operar o paciente”, explicou Castro.

Particularmente, os medicamentos para a pressão arterial faltam em 57% das salas de emergência, enquanto 55% dos hospitais carecem de insulina e 21%, de morfina, detalhou o estudo.

Maduro atribui o desabastecimento às sanções que os Estados Unidos aplicam desde o fim de 2017 e que, assegura, pressupõem um “bloqueio financeiro” para o pagamento das provisões.

Washington, que proíbe suas empresas e cidadãos de negociarem a nova dívida venezuelana e sancionou o próprio Maduro, justifica as medidas como uma forma de asfixiar um governo ao qual denomina de “ditadura” e que transformou a Venezuela em um “desastre”.

O outrora rico país petroleiro enfrenta cinco anos de recessão, a ruína de sua vital indústria petroleira, uma inflação que chegará a 1.350.000% este ano, segundo o FMI, e falta de alimentos e demais bens básicos.

– “Come-se o que tiver” –

A crise hospitalar também se reflete na infraestrutura: 33% dos leitos estão inoperantes, um terço não funciona e 43% dos laboratórios estão fechados, segundo a pesquisa.

Enquanto isso, 95% dos hospitais não têm capacidade de fazer chapas de raios-X, em 10% não há nenhum tipo de comida e em 97% dos serviços abertos, “come-se o que tiver”.

Como se fosse pouco, a insegurança também assombra. Só durante a semana estudada, em 45% dos centros médicos houve assaltos e em 62,1% foram registrados atos violentos contra familiares de pacientes.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia