Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A basílica que tem o maior número de relíquias (depois do Vaticano)

Vue de la nef de la basilique Saint-Sernin de Toulouse © Basilique Saint-Sernin
Compartilhar

Descubra a Basílica de São Saturnino, na França

Clique aqui para abrir a galeria de fotos

As origens da Basílica de São Saturnino (ou São Sernin) remontam ao século III, época do martírio de São Saturnino, o primeiro bispo de Toulouse, na França. 

Depois de se negar a fazer sacrifícios aos deuses pagãos, Saturnino foi atado pelos pés a um touro. O corpo dele foi arrastado pelo animal e ficou destroçado. 

No século seguinte, o bispo Hilário mandou construir uma basílica de madeira sobre a tumba de Saturnino. O local se tornou centro de devoção e foi construída uma basílica martyrium. 

Neste local, no século XI foi construída a basílica atual, de cimento em estilo românico. São Saturnino foi, desde então, um lugar de parada imprescindível na peregrinação até Santiago de Compostela. 

A construção levou dois séculos. Com seus grandes corredores, numerosos pórticos e resplandecentes capelas, a basílica pode receber uma multidão de peregrinos e permite que eles acessem com tranquilidade as relíquias expostas. 

O culto às relíquias 

A origem da basílica está diretamente relacionada ao culto das relíquias de São Saturnino. A vocação do edifício como um local de peregrinação foi reforçada com o tempo, e o monumento ganhou várias outras relíquias. 

As relíquias da Vera Cruz, por exemplo, convidam os fiéis a lembrarem os acontecimentos da Semana Santa, enquanto as relíquias dos santos nos recordam que seus corpos foram Templos do Espírito. 

Nos cofres-relicários da basílica repousam os restos mortais de São Lourenço, São Bonifácio, Santo Antônio Abade e Vicente Diácono. 

Além disso, desde o século XIII, o local também preserva um espinho da Santa Coroa.

Lá também estão mais de 200 fragmentos de ossos de santos e um pedaço da Vera Cruz, que acompanham os restos mortais de Santa Bernadette e Santa Teresinha do Menino Jesus. 

Depois da Basílica de São Pedro, em Roma, a catedral de Toulouse abriga o maior número de relíquias.