Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Religião

O "Museu da Tortura" e a Inquisição: detonando um post mentiroso

Por VladKol/Shutterstock

O Catequista - publicado em 06/12/18

Recentemente viralizou uma postagem sobre supostos instrumentos de tortura que teriam sido usados na Inquisição - e nós vamos esclarecer a verdade

Recentemente viralizou uma postagem sobre supostos instrumentos de tortura que teriam sido usados na Inquisição. Uma página no Facebook apresentou 25 imagens de cenários do Museu da Tortura (que fica na Califórnia), e disse que aquelas imagens horrendas seriam de uma exposição sobre tipos de tortura aplicados pela Inquisição.

Mentira! E vamos provar aqui.

A primeira evidência de fake news está na foto abaixo, que mostra um homem (um boneco) com a língua perfurada por um prego. Note que placa que descreve a cena diz, em inglês: “Língua pregada era a punição por espalhar fofoca, calúnia ou piadas sobre os governantes oficiais”.

Só indigente mental pode achar que a Inquisição investigava fofoqueiros e piadistas! A Inquisição jamais se ocupou dessas coisas: seu combate era contra as heresias. O crime descrito na placa da foto acima é obviamente um assunto de interesse meramente secular, nada a ver com religião.

A segunda evidência de fake news é a foto abaixo. Esse instrumento, chamado “dama de ferro”, não só nunca foi usado pela Inquisição, como nem mesmo existia na Idade Média!

A dama de ferro é invenção moderna. Vários museus do mundo já reconheceram que as damas de ferro que possuem em seu acervo são, na verdade, peças fraudadas por impostores do século XIX em diante (confira aqui o artigo do San Diego Museum of Man, da Califórnia).

A terceira evidência de fake news é o parecer dos mais renomados historiadores do mundo, especializados no tema das Inquisições. Entre muitos, podemos citar Henry Kamen, Agostino Borromeo, Jean Louis Biget e Cecil Roth (este último é um JUDEU, duro crítico da Inquisição Espanhola). Todos esses historiadores célebres afirmam que a tortura RARAMENTE era aplicada nas diversas Inquisições, e seus métodos eram relativamente muito brandos, se comparados aos aplicados pelos tribunais seculares.

Por meio de decretos papais, A Igreja Católica impôs fortes limites à crueldade da tortura. Era proibido derramar sangue dos réus e não se podia causar nenhum dano físico profundo ao torturado.

Por isso, durante os interrogatórios realizados pelos inquisidores, seria impossível ver cenas como as mostradas naquele post calunioso: língua mutilada, ratos roendo o ventre, cabeça decepada, afogamento em barril, olhos arrancados…

As únicas imagens daquela postagem que realmente ilustram as torturas aplicadas nos tribunais das Inquisições são duas: a flagelação e o garfo.

A imagem da moça prestes a ser queimada na fogueira também corresponde, pois o Estado estabelecia que a pena capital para crimes dessa natureza era a morte na fogueira. Mas na maioria dos casos o herege condenado era morto por estrangulamento antes de ser queimado na fogueira. Assim tinha uma morte mais rápida e menos dolorosa.

Outros tipos de tortura aplicados pela Inquisição eram: a garrucha e o strappado, a “toca”, queimaduras com carvão em brasa e o cavalete. Eram ruins? Obviamente! Mas ao menos os réus, em geral, saíam inteiros das sessões de tortura, sem nenhum membro inválido ou mutilado. É por isso que, segundo Henry Kamen, havia detentos de prisões seculares que faziam de tudo para serem reconhecidos como hereges, para assim serem transferidos para uma prisão da Inquisição, onde certamente receberiam um tratamento muito mais misericordioso.

(via Catequista)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Igreja Católica
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
CHILE
Reportagem local
Duas igrejas são incendiadas durante protesto...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia