Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Quais são os efeitos da Esperança?

HOPEFUL MAN
Shutterstock
Compartilhar

Uma virtude que, entre outras coisas, protege contra o desânimo e dilata o coração na expectativa da bem-aventurança eterna

Muitas vezes, aproximamo-nos de Deus pois justamente Ele parece ser a nossa última alternativa. O único que pode resolver o que eu não consigo fazer por mim mesmo. Será que essa experiência consegue explicar realmente a Esperança Cristã?

A nossa fé não é um amuleto que dá sorte quando precisamos daquela força extra. Cuidado, amigos! Nossa fé tem características muito diferentes de outras religiões. Jesus não é igual a Buda, ou Maomé. Bora entender!

Esperança como Virtude

A Esperança é uma Virtude Teologal, ou seja, “adapta às faculdades do homem à participação na natureza divina, refere-se diretamente a Deus e dispõe os cristãos para viverem em relação com a Santíssima Trindade” (CIC nº 1812-1813). Por ela, desejamos o Reino dos Céus e confiamos nas promessa de Cristo. O Catecismo ainda diz:

“A Esperança corresponde ao desejo de felicidade que Deus colocou no coração de todo o homem; assume as esperanças que inspiram as atividades dos homens, purifica-as e ordena-as para o Reino dos Céus; protege contra o desânimo; sustenta no abatimento; dilata o coração na expectativa da bem-aventurança eterna. O ânimo que a esperança dá preserva do egoísmo e conduz à felicidade da caridade”CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, 1818

Olhemos os efeitos da Esperança Cristã

Assume as esperanças que inspiram as atividades dos homens, purifica-as e ordena-as para o Reino dos céus: você já parou para pensar por que faz o que faz? Não podemos viver andando por aí sem rumo. Tampouco podemos permitir-nos fazer o mal às pessoas. Pelo contrário, devemos fazer o bem. Sendo assim, anunciar e ser testemunhas do Evangelho nas nossas atividades faz-nos repensar o porquê de fazermos as coisas.Não é novidade que, muitas vezes, na vida cristã somos chamados a assumir uma cruz, algum fato que nos é custoso, difícil e até doloroso. Bento XVI, na “Spe Salvi”, nos ensina que há “lugares” de aprendizagem e de exercício da esperança, como por exemplo a oração, o agir e o sofrer. Ele diz: “Não é o evitar o sofrimento, a fuga diante da dor, que cura o homem, mas a capacidade de aceitar a tribulação e nela amadurecer, de encontrar o seu sentido através da união com Cristo, que sofreu com infinito amor” (SS 37).

Preserva do egoísmo e conduz à felicidade da caridade. A esperança nos lembra que nossa vida não se limita a este mundo, não podemos guardar ou levar para a vida eterna bens materiais. Tampouco podemos ignorar os demais; temos que ajudá-los. Aquele que está do meu lado é uma missão para mim. Devo viver e oferecer a ele toda a alegria da Esperança Cristã. Devo ajudá-lo, para que se salve.

Resumindo, a Esperança cria uma grandeza no coração humano. Não nos é permitido ter uma atitude passiva, simplesmente. Pelo contrário, a Esperança Cristã dilata o coração diante da vontade de Deus, que nos oferece um caminho de peregrinação até o encontro definitivo com Ele. É uma santificação da nossa vida e das nossas ações.

A Esperança nos lembra do quão importante é a Vida; mesmo que pareça que nós não fazemos nada demais, nós somos santificados à medida em que vamos seguindo a Deus e oferecendo-Lhe nossas ações e orações. Essa é a nossa Fé, que se sustenta na Esperança deste Deus que nos ama e nos acompanha. Por isso ele é chamado o Emanuel, o Deus conosco.

Por Fábio Santos Araújo, via Jovens de Maria 

Aleteia Top 10
  1. Lidos