Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Toda a emoção de quem enxergou as cores pela primeira vez

GLASSES
Helen Sushitskaya - Shutterstock
Compartilhar

Algumas pessoas nunca apreciaram a beleza das cores. Mas uma invenção está mudando essa história

Certamente você conhece algum daltônico. É aquela pessoa que não distingue o verde do vermelho. A doença limita um pouco a vida cotidiana. Mas muitos daltônicos souberam encontrar pequenos truques para superar esta dificuldade. Nos semáforos, por exemplo, eles se orientam pela posição das luzes acesas. 

Entretanto, há uma anomalia muito mais grave, que é a perda da visão das cores (acromatopsia). Você conseguiria imaginar como é acordar pela manhã e enxergar tudo em branco e preto?

Esta enfermidade faz com que o cérebro capte a imagem e a “leia” apenas em branco, preto, cinza e suas tonalidades. 

Este problema e o do daltonismo pareciam sem solução. Mas um grupo de pesquisadores inventaram um produto simples: lentes que filtram a frequência de cada uma das cores. 

No vídeo abaixo, fica evidente a emoção das pessoas que usaram o acessório e conseguiram, pela primeira vez, enxergar a beleza das cores. Algo que, para nós, parece tão habitual se transforma em um presente gigante para outros.