Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Perder o controle pode literalmente causar um ataque cardíaco

WOMAN,ANGRY,EYES
Shutterstock
Compartilhar

O risco de um ataque cardíaco é significativamente maior quando você perde a calma

Mau humor pode aumentar o risco de ter ataque cardíaco ou derrame, segundo a Associação Americana de Psicologia.

De acordo com um estudo publicado no European Heart Journal, pessoas que já têm fatores de risco, como histórico de doenças cardíacas, são particularmente suscetíveis.

Nos 120 minutos após um ataque de raiva, o risco de sofrer um ataque cardíaco aumenta quase cinco vezes e o de um derrame mais de três vezes, de acordo com dados de nove estudos envolvendo milhares de pessoas.

Pesquisadores da Harvard School of Public Health mostraram que uma explosão isolada de raiva representa um risco relativamente baixo. De acordo com seus cálculos, no entanto, se for um episódio de raiva por mês, uma em cada 10 mil pessoas com pouco risco cardiovascular teria um ataque cardíaco ou derrame por ano – estatística que aumenta se forem indivíduos com alto risco cardiovascular, já que seria quatro para cada 10.000 indivíduos.

Ataques cardíacos

Ataques cardíacos são a principal causa de morte em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, e isso está crescendo; em 1990, representou 12% das mortes; em 2013, esse número estava próximo de 17%.

Um ataque cardíaco consiste na morte (ou necrose) de parte do tecido de um órgão. Geralmente, a necrose ocorre como resultado da obstrução da artéria que a irriga.

Quando o tecido necrótico está na musculatura do coração, é chamado de infarto do miocárdio. Os infartos também podem ocorrer em outros órgãos; além do coração, os mais comuns são o cérebro, os rins e o intestino.

Os infartos cerebrais são conhecidos como “acidentes cerebrovasculares” ou “acidentes vasculares cerebrais”. Entre os fatores mais relevantes que predispõem a ocorrência de ataques cardíacos estão o consumo de tabaco e álcool, obesidade, sedentarismo, diabetes e níveis elevados de colesterol. Eles também ocorrem com mais frequência em homens, em pessoas com mais de 40 anos de idade e naqueles com histórico familiar de doença cardiovascular.

Acúmulo de estresse

O risco é cumulativo, o que significa que as pessoas propensas a perder a paciência têm maior probabilidade de sofrer um ataque depois de uma explosão.

Cinco ataques de raiva por dia podem resultar em cerca de 158 ataques cardíacos extras para cada 10.000 indivíduos de baixo risco por ano. Esse número aumenta para 657 se estivermos olhando para pessoas propensas a problemas cardiovasculares.

O que está claro é que o estresse crônico pode contribuir para doenças cardíacas, em parte porque pode aumentar a pressão sanguínea e em parte porque as pessoas podem lidar com o estresse de maneira prejudicial, dois exemplos dos quais podem ser o hábito de fumar e beber muito álcool.

Prevenção

A prática continuada de exercícios de relaxamento físico e cognitivo pode ajudar o corpo a parar de emitir respostas de estresse em momentos inapropriados. A pesquisa científica apoia particularmente os procedimentos de relaxamento muscular progressivo e respiração lenta e profunda. Resumindo: se você valoriza sua vida, certifique-se de que o controle do estresse e da raiva esteja entre suas habilidades.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.