Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Salvo por um PM da Rota

Compartilhar

"A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas até um grave dever para aquele que é responsável pela vida de outrem"

Recebemos, há poucos dias, a narrativa de uma ocorrência policial na qual um vendedor de 32 anos de idade, foi vítima de assalto à mão armada. Os criminosos atiraram nele a sangue frio e só não o assassinaram porque um valoroso policial da Rota – Cabo PM Santino – agiu rápido. Este artigo expõe o fato e o comenta.

Eis, com ligeiras adaptações de linguagem, o agradecimento que a vítima do roubo frustrado dirigiu, via e-mail, à Rota: “Boa tarde! Venho através deste e-mail expressar minha gratidão ao Cabo Santino, que com sua bravura salvou a minha vida”.

“Na noite do dia 26/11, estava voltando do trabalho com minha moto e fui surpreendido por dois marginais, os mesmos queriam levar minha moto e simplesmente abriram fogo contra mim, eu com o susto acabei caindo na rodovia Mario Covas – cidade de Poá-SP. Nesse instante, o anjo da guarda Cabo Santino estava voltando do seu trabalho, e, no mesmo momento, interveio, não medindo esforço em salvar minha vida, no momento em que o ladrão iria disparar novamente em mim, pois o mesmo havia apontado a arma para minha cabeça. [Então,] o Cabo Santino, chamou a atenção toda para ele colocando a própria vida em risco por uma pessoa que ele nem conhecia que era eu […], idade 32 anos, profissão vendedor.”

“O mesmo abriu fogo contra os bandidos salvando a minha vida. Sou grato, primeiramente, a Deus e, em segundo, ao Cabo Santino por ter me devolvido a vida. Peço a Deus que haja mais homens com essa bravura, pois ele não salvou somente uma vida mais, sim, uma família. Este acontecimento está relatado no Boletim nº xxxx/2018”. A ocorrência sugere comentário.

O que muito se destaca é o ato de nobreza do trabalho de um dedicado policial militar (PM). Ele arrisca – ou mesmo entrega – a própria vida para salvar a do semelhante. Vive as palavras de Cristo no Evangelho: “Ninguém tem maior prova de amor do que aquele que dá a vida pelo irmão” (Jo 15,13). A doutrina católica apoia, totalmente, esse trabalho do policial. Aliás, não só dele, mas de qualquer pessoa que reage a um injusto agressor, inclusive eliminando-o, se preciso for.

Sim, aquele que assim procede não é culpado de homicídio, pois, no caso, é o criminoso quem procura seu próprio fim. Diz o Catecismo da Igreja Católica: “A defesa legítima das pessoas e das sociedades não é uma exceção à proibição de matar o inocente que constitui o homicídio voluntário. Do ato de defesa pode seguir-se um duplo efeito: um, a conservação da própria vida; outro, a morte do agressor. Nada impede que um ato possa ter dois efeitos, dos quais só um esteja na intenção, estando o outro para além da intenção” (n. 2263).

Mais: “O amor para consigo mesmo permanece um princípio fundamental de moralidade. É, portanto, legítimo fazer respeitar o seu próprio direito à vida. Quem defende a sua vida não é réu de homicídio, mesmo que se veja constrangido a desferir sobre o agressor um golpe mortal: ‘Se, para nos defendermos, usarmos duma violência maior do que a necessária, isso será ilícito. Mas se repelirmos a violência com moderação, isso será lícito […]. E não é necessário à salvação que se deixe de praticar tal ato de defesa moderada para evitar a morte do outro: porque se está mais obrigado a velar pela própria vida do que pela alheia’” (n. 2264. Itálico nosso).

A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas até um grave dever para aquele que é responsável pela vida de outrem. Defender o bem comum implica colocar o agressor injusto na impossibilidade de fazer mal. É por esta razão que os detentores legítimos da autoridade têm o direito de recorrer mesmo às armas para repelir os agressores da comunidade civil confiada à sua responsabilidade” (n. 2265. Itálicos nosso).

Em suma, toda pessoa tem o direito à legítima defesa, e quem é responsável pela vida de terceiros (pais, policiais, seguranças etc.) possui o dever de frear o infrator, de modo letal ou não. Conforme a ação, é a reação. Parabéns ao cabo PM Santino!