Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Noite Feliz”: há 200 anos emocionando o Natal

CAROLING
Compartilhar

Conheça a história da música que virou o hino do Natal no mundo inteiro

Se tem uma canção que não pode faltar na época do Natal, é a clássica Noite Feliz. Neste Natal de 2018, se completarão 200 anos desde que Stille Nacht – como é chamada no original em alemão – foi ouvida pela primeira vez, na Igreja de São Nicolau, em Oberndorf, na Áustria, na missa da noite do Natal de 1818. Traduzida para centenas de línguas, Noite Feliz foi declarada em 2011 pela UNESCO um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Quem esteve lá naquela noite ouviu a canção sendo executada a voz e violão pelos seus dois compositores: o da letra, o padre Joseph Mohr (1792-1848) – era um poema que ele havia escrito dois anos antes –, e o da música, o professor e organista Franz Xaver Gruber (1797-1863). Gruber havia escrito a partitura no mesmo dia, em poucas horas, após receber uma visita do padre pela manhã.

Mohr tinha apenas 23 anos de idade e um como padre quando escreveu o poema que deu origem à canção. A Europa acabava de passar por um momento atribulado – as Guerras Napoleônicas assolaram o continente entre 1803 e 1815. Não é de se estranhar, portanto, que o tema da paz atravesse o texto. A letra original fala de Jesus que “como um irmão abraça carinhosamente os povos do mundo”.

A casa em que Gruber viveu por 28 anos, em Hallein, é hoje o Stille Nacht Museum – o “Museu Noite Feliz”. A Igreja de São Nicolau não existe mais: a região sofria com constantes alagamentos e o templo acabou por ser demolido em 1913. Porém, em seu lugar foi construída entre 1924 e 1936 a Stille-Nacht-Gedächtniskapelle, ou “Capela Memorial Noite Feliz”.

Traduções

A versão em inglês da canção surgiu em 1859, traduzida pelo padre episcopaliano John Freeman Young em Nova York. Já a versão em língua portuguesa é de 1912 e se deve ao frade franciscano Pedro Sinzig. Nascido na Alemanha, ele veio ao Brasil em 1898, aos 22 anos, e aqui foi ordenado padre e trabalhou por toda a vida – passou por Salvador, Lages (SC), Petrópolis (RJ) e Rio de Janeiro.

Sinzig foi um dos grandes nomes da música sacra brasileira de sua época, além de jornalista e escritor, tendo sido membro da Academia Brasileira de Música, da Associação Brasileira de Imprensa e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Foi também consultor de muitos compositores nos assuntos referentes à música sacra, inclusive de Heitor Villa-Lobos, que lhe dedicou a sua Missa de São Sebastião.

O frade era ainda ativista antinazista. Publicou em 1938 no Rio sob um pseudônimo o livro O Nazismo sem máscara: fatos e documentos e em 1942 foi cofundador do movimento Alemanha Livre, que reunia cidadãos brasileiros de origem alemã e austríaca contrários ao nazismo. Sinzig morreu em 1952, durante uma viagem à Alemanha.

 

(publicado em Sempre Família)