Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Um pedido do Papa Francisco: “Falem mais sobre a vida eterna”

Papa Francisco vida eterna
Creative Commons
Compartilhar

"A beleza da eternidade está sendo intencionalmente esquecida e ignorada", afirmou ele

O Papa Francisco quer que haja mais interesse pela vida eterna nos âmbitos da teologia, da catequese e da formação cristã. Ele próprio reforçou o assunto no início deste mês de dezembro ao escrever ao cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, por ocasião da XXIII Sessão Pública das Academias Pontifícias, cuja solenidade anual abordou precisamente o tema “Eternidade, a outra face da vida”.

Francisco parabenizou o cardeal e os organizadores do evento pela escolha temática, ressaltando que ela nos estimula a refletir de novo e melhor sobre um âmbito essencial da experiência cristã, mas que não tem sido valorizado o suficiente nas pesquisas acadêmicas dos últimos anos e nem mesmo na formação dos fiéis. O Papa foi além e disse ter a impressão de que esse tema é “intencionalmente esquecido e ignorado porque é aparentemente distante, estranho à vida quotidiana e à sensibilidade contemporânea”.

Ele acrescentou que esta lamentável realidade, porém, não surpreende, já que um dos fenômenos marcantes da cultura atual

“…é justamente o fechamento dos horizontes transcendentes, o fechar-se em si mesmo, o apego quase exclusivo ao presente, esquecendo ou censurando as dimensões do passado e, sobretudo, do futuro, que é sentido, especialmente pelos jovens, como obscuro e cheio de incertezas. O futuro além da morte aparece, nesse contexto, inevitavelmente ainda mais distante, indecifrável ou completamente inexistente”.

O Papa observou, no entanto, que a ressurreição dos mortos e a vida eterna estão no núcleo essencial da fé cristã, ligado diretamente à fé em Jesus Cristo Ressuscitado, e que esse núcleo precisa ser compreendido de modo mais dinâmico e instigante. Neste sentido, ele observou que a linguagem comumente usada na catequese torna a conceitualização da vida eterna quase incompreensível e até “monótona e repetitiva, chata, mesmo triste ou completamente insignificante e irrelevante para o presente“.

Contra essa visão “desestimulante” da vida eterna, Francisco mencionou São Gregório de Nissa, um dos Padres da Igreja, cuja visão da eternidade era

“…concebida como uma condição existencial que não é estática, mas dinâmica e vivaz. O desejo humano de vida e felicidade, intimamente ligado ao desejo de ver e conhecer a Deus, cresce continuamente (…), transcende qualquer conquista humana e constitui uma meta infinita e sempre nova”.

O Papa citou também São Tomás de Aquino, destacando o seu pensamento de que “na vida eterna acontece a união do homem com Deus numa ‘perfeita visão’ d’Ele“, uma reflexão que evoca “a beleza da eternidade“.

No final da mensagem ao cardeal Ravasi, o Papa Francisco pediu que se renove o interesse pela eternidade nos âmbitos teológico, formativo e catequético, além de encorajar estudos e pesquisas que aprofundem o conceito cristão da vida eterna.

_________

Com informações do Vatican News