Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pe. Zezinho: “Constato com alegria que está mudando o tratamento entre casais”

RELATIONSHIP,COUPLE
Shutterstock
Compartilhar

São gestos simples e que enchem os filhos de orgulho: "Nossos pais se amam de verdade! O amor que eles têm um pelo outro é sagrado"

O pe. Zezinho, um dos sacerdotes mais queridos do Brasil, postou em sua página no Facebook algumas observações esperançadoras sobre a vivência mais consciente e delicada do casamento, em particular no tocante a detalhes do tratamento mútuo dos esposos.

Certamente o matrimônio é uma vocação e um desafio muito mais profundo que as meras formas de tratar-se, mas a delicadeza do trato serve como termômetro ao menos da disposição dos cônjuges de ver-se com respeito e dignificar-se também nos aspectos aparentemente secundários.

Eis o breve comentário do pe. Zezinho, tal como ele o publicou:

ESPOSO & ESPOSA

CONSTATO com alegria que entre os pobres e ricos está mudando o tratamento entre casais.

Pouco a pouco se ouve no cotidiano os termos “meu esposo/ minha esposa”.

Ouve-se menos a expressão “meu marido, meu homem, minha mulher“. Há mais deferência e respeito no trato entre os dois.

Uma senhora de 42 anos disse o porquê da mudança de termos.

“Aprendi que não somos donos um do outro, mas nos demos um ao outro e aos nossos filhos. A gente está à disposição um do outro e nós dois à disposição dos filhos“.

A casa é humilde, mas agora chama-se LAR e o tratamento é VIP. Lá dentro moram um senhor e uma senhora que se tratam como MEU BEM, MEU AMOR. E quando, lá fora, se referem ao outro, falam “meu esposo”, “minha esposa”.

Deram-se sabendo que nenhum dos dois é o dono do outro. Mas os dois são o maior bem que possuem junto com os filhos que geraram! É coisa de respeito que não se vê em certas novelas que baratearam demais o que, para eles, é o seu tesouro: sua família!

Ainda se procuram com a timidez dos primeiros encontros, como a pedir desculpas por precisarem um do outro. O romance está voltando para muitos casais. E isto enche os filhos de orgulho! “Nossos pais se amam de verdade!” “O amor que eles têm um pelo outro é sagrado”.

É o que tenho visto e ouvido de jovens quando falam de seus pais!

_____________

Pe. Zezinho, via Facebook