Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

ONU prevê 5,3 milhões de refugiados e migrantes venezuelanos até o fim de 2019

VENEZUELANS
Compartilhar

Embora os venezuelanos estejam deixando o país há vários anos, esses movimentos populacionais aumentaram em 2017

A ONU afirmou, nesta sexta-feira, que prevê que haverá 5,3 milhões de migrantes e refugiados venezuelanos até o fim de 2019, devido à crise política e econômica do país, por ocasião da publicação de seu primeiro apelo por fundos para a região.

Lançado em Genebra pela ONU, o Plano Regional de Assistência aos Refugiados e Migrantes da Venezuela (RMRP) é “o primeiro nas Américas”, afirmaram o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM), em comunicado conjunto.

De acordo com agências da ONU, cerca de três milhões de venezuelanos vivem no exterior, dos quais pelo menos 2,3 milhões deixaram a Venezuela a partir de 2015. A maioria deles viajou para a Colômbia e o Peru.

“Com base em números do governo, estima-se que haverá 5,3 milhões de refugiados e migrantes venezuelanos até o final de dezembro de 2019”, aponta a ONU em seu Plano de Resposta Regional.

Embora os venezuelanos estejam deixando o país há vários anos, esses movimentos populacionais aumentaram em 2017 e sua magnitude se acelerou ainda mais em 2018, segundo a ONU.

De acordo com as estimativas do ACNUR e da OIM, cerca de 5.500 pessoas deixaram o país por dia em 2018.

“Estamos enfrentando um terremoto humanitário”, disse o enviado especial da ONU para os refugiados e migrantes venezuelanos, Eduardo Stein, em entrevista coletiva.

“O pico” de partidas foi alcançado “em meados de agosto, quando o número de venezuelanos que deixaram o país ultrapassou 18.000 por dia. Hoje caiu para menos de 5.000 por dia, em média”, acrescentou.

O pedido de fundos apresentado pela ONU baseia-se no pressuposto de que a situação atual continuará.

As Nações Unidas pedem 738 milhões de dólares (654 milhões de euros) para ajudar 2,7 milhões de pessoas (2,2 milhões de venezuelanos e 500.000 pessoas nas comunidades de acolhimento) em 16 países.

Na terça-feira, a Comissão Europeia anunciou que vai destinar 20 milhões de euros (22,8 milhões de dólares) para atender os migrantes venezuelanos.

“Eu vi a angústia e o sofrimento de muitos venezuelanos, que se viram obrigados a abandonar suas casas pela crise”, afirmou o comissário europeu de Ajuda Humanitária, Christos Stylianides, em um comunicado.

O êxodo de venezuelanos que fogem da situação econômica desastrosa é considerado pela ONU o maior deslocamento de pessoas na história recente da América Latina.

A Venezuela tem as maiores reservas de petróleo do mundo, mas está mergulhada numa profunda crise econômica e sob sanções financeiras dos Estados Unidos.

(AFP)

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.