Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Religião

Ainda os elementos da boa Confissão

MAN PRAYING

Pixel-Shot | Shutterstock

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 19/12/18

A Moral mantém a noção clássica de pecado grave e leve ou mortal e venial

O segundo elemento é a confissão (acusação dos pecados), presencial, a um ministro validamente ordenado para receber a absolvição.

Aqui, falamos de um sacramento, portanto de um canal da graça sobrenatural. É verdade de fé que a declaração de todos os pecados graves recordados, ainda que os mais secretos cometidos contra os dois últimos Mandamentos da Lei de Deus, devem ser expostos ao confessor. Os pecados hão de ser elencados de acordo com o número, a espécie e a circunstância (cf. DS 1679 e 1707-1708; Teologia dogmática III, p. 295).

Assim, segundo o número: é mais grave o pecado repetido que aquele cometido uma só vez (por exemplo, quem roubou o patrão (ou o empregado) três vezes tem maior culpa que aquele que roubou uma vez só; segundo a espécie: aquele que rouba um vaso de uma residência comete pecado contra o 7º Mandamento; aquele que rouba o vaso sagrado de uma igreja, além do furto, comete sacrilégio; segundo as circunstâncias: quem namora uma pessoa casada em sua própria casa comete pecado contra a castidade e a justiça; se, porém usar a igreja para o encontro, também comete sacrilégio.

Daí, não bastar dizer, de modo generalista, “eu pequei contra a castidade”. É necessário especificar “como, onde e quando”. É recomendável que os fiéis admitam também pecados já confessados e perdoados, dado que cada pecado, mesmo já absolvido, deixa resquício ou desordem na alma do fiel. Ora, a absolvição de pecados já perdoados recai sobre a culpa e extingue a desordem remanescente daquele pecado.

A Moral mantém a noção clássica de pecado grave e leve ou mortal e venial. O fiel não pode se aproximar da Sagrada Comunhão em pecado grave. Deve se confessar antes. No entanto, ao menos (não ao máximo) uma vez por ano é necessária a Confissão sacramental. Já os pecados leves também devem ser confessados, embora não haja obrigação, pois podem ser perdoados por outros meios como uma obra de caridade, o ato de contrição etc. (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 1457-1458).

Verdade é que não parece tão fácil cair em pecado grave, pois, em uma sociedade permissiva como a nossa, há dificuldade de entender bem o que leva ao pecado grave, que tem um aspecto objetivo – matéria grave – e dois subjetivos – conhecimento do que faz e vontade deliberada de fazer (cf. Dom Dadeus Grings. Curso de Direito Canônico, p. 95).

Também a fórmula de absolvição, em uso na Igreja latina, exprime os elementos essenciais desse sacramento: “o Pai das misericórdias é a fonte de todo o perdão. Ele realiza a reconciliação dos pecadores pela Páscoa do seu Filho e pelo dom do seu Espírito, através da oração e do ministério da Igreja: ‘Deus, Pai de misericórdia, que, pela morte e ressurreição de seu Filho, reconciliou o mundo consigo e enviou o Espírito Santo para a remissão dos pecados, te conceda, pelo ministério da Igreja, o perdão e a paz. E eu te absolvo dos teus pecados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo’” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1449).

Nota-se ainda uma importante verdade, na administração de cada sacramento: as palavras usadas pelo ministro, como vimos, não são catequéticas nem orações de súplica pedindo a infusão da graça, mas, ao contrário, demonstram, de modo claro, a atuação da graça devido à eficácia própria do sacramento. No caso da Reconciliação, por exemplo, o padre não pede a Deus que perdoe o penitente arrependido, mas declara, como certo, o perdão concedido por meio da forma sacramental “Eu te absolvo dos teus pecados” (cf. D. E. Bettencourt. Curso sobre os sacramentos, p. 45).

Nota: Nota: a sigla DS designa Denzinger a Schönmetzer, autores de um Manual contendo todas as definições de fé e moral da Igreja, da origem até nossos dias.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
PecadoPerdãoSacramentos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia