Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 12 Maio |
São Pancrácio
home iconEstilo de vida
line break icon

Ciência garante: envelhecimento se combate dançando

ELDERLY

Jacob Lund - Shutterstock

Pensar Contemporâneo - publicado em 20/12/18

Entre todos os tipos de exercício para idosos, a dança é a que tem o mais profundo efeito benéfico, afirmam as pesquisas

Várias pesquisas mostraram os benefícios da atividade física para combater a deterioração cognitiva associada à idade, mas agora aprendeu-se que é preferível dançar.

A passagem do tempo é inevitável. Quase como as consequências físicas e mentais que isso traz às pessoas. O que é possível é evitar uma deterioração maior que o esperado das habilidades cognitivas.

Com esse objetivo em mente, cientistas do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas e outras instituições alemãs empreenderam um trabalho que os levou a mostrar que os idosos que se exercitam regularmente podem reverter os sinais de envelhecimento no cérebro. E concluíram que entre todos os tipos de exercício, a dança é a que tem o mais profundo efeito benéfico.

O exercício tem o efeito de abrandar ou mesmo contrariar a deterioração relacionada com a idade na capacidade mental e física.

CHRISTMAS
Halfpoint - Shutterstock

“O exercício tem o efeito de desacelerar ou mesmo contrabalançar a deterioração relacionada à idade nas habilidades físicas e mentais. Neste estudo, é mostrado que dois tipos diferentes de exercícios físicos (dança e treinamento de resistência) aumentam a área de cérebro que diminui com a idade e melhoram o equilíbrio“, explicou Kathrin Rehfeld, chefe do trabalho.

Os pesquisadores contaram para sua pesquisa com dois grupos de idosos. Foram separados em dois grupos: em um deles, o grupo de dança, composto por 14 pessoas entre 67 e 71 anos e, em outro, 12 pessoas, entre 68 e 71 anos, que praticavam exercícios físicos. Os mais velhos começaram um curso semanal que durou 18 meses aprendendo rotinas de dança ou treinamento de resistência e flexibilidade.

Embora pesquisas anteriores tenham mostrado que o exercício físico em geral pode combater a deterioração cognitiva associada à idade, não se sabia se um tipo de exercício em particular poderia ser melhor que outro a esse respeito. Não se sabia que tipo de exercício físico poderia combater melhor o declínio cognitivo.

Durante o trabalho, ambos os grupos mostraram um aumento no volume na região hipocampal do cérebro. Isto é importante, uma vez que esta área é propensa à deterioração do cérebro relacionada à idade (e desempenha um papel fundamental na memória e na aprendizagem, bem como na manutenção do equilíbrio) e é afetada por doenças como a doença de Alzheimer.

Shutterstock-Ollyy

A fim de aprofundar este aspecto, os pesquisadores distribuíram diferentes rotinas de exercícios para os voluntários de acordo com o grupo: o treinamento físico tradicional era composto de exercícios repetitivos (como o ciclismo), e o grupo de dança, ao contrário, enfrentava para um novo desafio de dança toda semana.

“Tratamos de proporcionar às pessoas mais velhas do grupo de dança, rotinas que estavam constantemente mudando de gênero (tango, dança latina…). Desta forma, os passos, os padrões dos braços, a velocidade e os ritmos mudavam a cada semana. “Como um processo de aprendizagem constante, esclareceu Rehfeld, o aspecto mais difícil para eles era lembrar as rotinas sob a pressão do tempo e sem qualquer pista do instrutor.”

Segundo os pesquisadores, esse desafio adicional no grupo de dança explicaria a diferença perceptível entre o equilíbrio desse grupo e os do grupo controle com exercícios tradicionais, e a melhora dos sintomas de deterioração cognitiva associados à idade.

Ele concluiu: “A atividade física é um dos fatores do estilo de vida que pode contribuir para uma vida saudável pelo maior tempo possível, contrabalançar vários fatores de risco e diminuir o declínio relacionado à idade. Novos desafios para o corpo e mente, especialmente na velhice “.

(Via Pensar Contemporâneo. Fonte: infobae)

Tags:
Ciência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
Reportagem local
Triste, surpreendente, inspirador: o drama e o recomeço da menina...
3
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
4
OPERA SINGER
Cerith Gardiner
Cantora de ópera faz apresentação incomum e homenageia Maria e as...
5
Philip Kosloski
5 revelações surpreendentes do “terceiro segredo” de ...
6
FRANCISCO AND JACINTA MARTO
Tom Hoopes
As lições dos pastorinhos de Fátima aplicadas ao coronavírus
7
Reportagem local
3 fatos cientificamente inexplicáveis sobre a imagem de Guadalupe
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia