Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Qual é a raiz de todos os outros valores que nos são caros?

CHILD THINKING
Compartilhar

Podemos descobrir isso em nós mesmos e ver nos outros, mas não podemos conceder isso e nem tirar dos outros

De uma perspectiva ética, as coisas têm maior ou menor valor na medida em que contribuem para a sobrevivência e o avanço dos seres humanos, ajudando-os a alcançar a paz, a harmonia e a independência que precisam e desejam.

Consequentemente, é essencial que os valores que buscamos em nossas vidas estejam alinhados com a verdade sobre a natureza humana – isto é, que eles sejam valores verdadeiros. Somente valores verdadeiros podem levar as pessoas ao desenvolvimento pleno de suas capacidades naturais. Podemos dizer que, na área da moralidade, um valor é verdadeiro na medida em que é capaz de tornar uma pessoa mais humana.

Esta é a raiz dos valores universais, baseados na dignidade absoluta de todo ser humano. É uma dignidade que – como pode ser deduzida a partir de sua origem – não pode ser relativizada, e não se pode dizer que depende de qualquer circunstância particular (sexo, idade, saúde, qualidade de vida etc.).

O que é um princípio?

No sentido ético ou moral do termo, um princípio é um julgamento prático imediatamente derivado da aceitação de um valor. A partir do valor mais básico (o valor de cada vida humana, de cada ser humano), deriva o primeiro princípio fundamental em que todos os outros se baseiam: a atitude de respeito que toda pessoa merece pelo próprio fato de pertencer à espécie humana. Isto é, a dignidade humana.

Dignidade humana, um valor fundamental

Na filosofia moderna e na ética contemporânea, os valores e o que é bom são retratados como subjetivos.

Começando com David Hume, há uma corrente de pensamento que propõe a ideia de que é impossível derivar qualquer tipo de dever do modo como as coisas são (“você não pode derivar um ‘deveria’ de um ‘é'”). O próximo passo lógico é concluir que os valores seriam redutíveis a nossas próprias impressões, reações e julgamentos, convertendo assim o dever no fruto de nossa própria vontade e decisões, e não em qualquer critério objetivo.

O positivismo jurídico do tipo proposto pelo jurista austríaco Hans Kelson ensina que as leis são o resultado da vontade das autoridades estatais, que determinam o que é legalmente permitido – e lícito – e o que não é.

No campo da ética, o positivismo e o empirismo afirmam que “certo” e “errado” são apenas decisões irracionais, apenas o resultado de impressões e reações – isto é, inteiramente emocionais. É verdade que a ideia de valores continua a existir dentro das escolas filosóficas do positivismo e do empirismo, mas apenas como uma ideia subjetiva ou o objeto do consenso.

Isso leva ao relativismo radical, porque, para todas essas teorias, não há fundamento para o valor na natureza das coisas, e qualquer ponto de vista pode variar de uma época para outra. Não há barreira confiável de valores para proteger contra a vontade arbitrária do Estado e o uso da violência.

No entanto, nossa natural abertura aos outros e nosso conhecimento adquirido através da experiência nos permitem reconhecer o poder de inteligência das outras pessoas e a grandeza de sua liberdade.

Através da nossa inteligência, somos capazes de transcender a nós mesmos e ao mundo em que vivemos e do qual fazemos parte; somos capazes de contemplar a nós mesmos e ao mundo como objetos.

Por outro lado, o coração humano tem desejos insaciáveis ​​de amor e felicidade que o levam a doar-se – mais ou menos apropriadamente – a pessoas e empresas. Tudo isso é uma parte inata de nosso próprio ser, e está sempre conosco, embora às vezes esteja oculto devido a doença ou falta de consciência.

Para resumir: os seres humanos são parte do mundo, mas, ao mesmo tempo, nós o transcendemos através de nossa capacidade única – devido à nossa inteligência e liberdade – de dominá-lo, sentindo o impulso para a ação com esse objetivo. Assim, podemos aceitar que o valor de todo ser humano é de uma ordem superior à de todos os outros seres do cosmos. E nós chamamos esse valor “dignidade humana“.

A dignidade de todo ser humano é um valor único e fácil de reconhecer. Podemos descobrir isso em nós mesmos e podemos ver nos outros. Mas não podemos conceder isso, nem podemos tirá-la de alguém. É algo que nos é dado por um poder superior. É independente de nossa vontade e nos chama a responder, reconhecer e aceitar isso com gratidão proporcional como um valor supremo.

Tags:
dignidade
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.