Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconEstilo de vida
line break icon

Qual é a raiz de todos os outros valores que nos são caros?

CHILD THINKING

Kostenko Maxim I Shutterstock

Javier Fiz Pérez - publicado em 20/12/18

Podemos descobrir isso em nós mesmos e ver nos outros, mas não podemos conceder isso e nem tirar dos outros

De uma perspectiva ética, as coisas têm maior ou menor valor na medida em que contribuem para a sobrevivência e o avanço dos seres humanos, ajudando-os a alcançar a paz, a harmonia e a independência que precisam e desejam.

Consequentemente, é essencial que os valores que buscamos em nossas vidas estejam alinhados com a verdade sobre a natureza humana – isto é, que eles sejam valores verdadeiros. Somente valores verdadeiros podem levar as pessoas ao desenvolvimento pleno de suas capacidades naturais. Podemos dizer que, na área da moralidade, um valor é verdadeiro na medida em que é capaz de tornar uma pessoa mais humana.

Esta é a raiz dos valores universais, baseados na dignidade absoluta de todo ser humano. É uma dignidade que – como pode ser deduzida a partir de sua origem – não pode ser relativizada, e não se pode dizer que depende de qualquer circunstância particular (sexo, idade, saúde, qualidade de vida etc.).

O que é um princípio?

No sentido ético ou moral do termo, um princípio é um julgamento prático imediatamente derivado da aceitação de um valor. A partir do valor mais básico (o valor de cada vida humana, de cada ser humano), deriva o primeiro princípio fundamental em que todos os outros se baseiam: a atitude de respeito que toda pessoa merece pelo próprio fato de pertencer à espécie humana. Isto é, a dignidade humana.

Dignidade humana, um valor fundamental

Na filosofia moderna e na ética contemporânea, os valores e o que é bom são retratados como subjetivos.

Começando com David Hume, há uma corrente de pensamento que propõe a ideia de que é impossível derivar qualquer tipo de dever do modo como as coisas são (“você não pode derivar um ‘deveria’ de um ‘é'”). O próximo passo lógico é concluir que os valores seriam redutíveis a nossas próprias impressões, reações e julgamentos, convertendo assim o dever no fruto de nossa própria vontade e decisões, e não em qualquer critério objetivo.

O positivismo jurídico do tipo proposto pelo jurista austríaco Hans Kelson ensina que as leis são o resultado da vontade das autoridades estatais, que determinam o que é legalmente permitido – e lícito – e o que não é.

No campo da ética, o positivismo e o empirismo afirmam que “certo” e “errado” são apenas decisões irracionais, apenas o resultado de impressões e reações – isto é, inteiramente emocionais. É verdade que a ideia de valores continua a existir dentro das escolas filosóficas do positivismo e do empirismo, mas apenas como uma ideia subjetiva ou o objeto do consenso.

Isso leva ao relativismo radical, porque, para todas essas teorias, não há fundamento para o valor na natureza das coisas, e qualquer ponto de vista pode variar de uma época para outra. Não há barreira confiável de valores para proteger contra a vontade arbitrária do Estado e o uso da violência.

No entanto, nossa natural abertura aos outros e nosso conhecimento adquirido através da experiência nos permitem reconhecer o poder de inteligência das outras pessoas e a grandeza de sua liberdade.

Através da nossa inteligência, somos capazes de transcender a nós mesmos e ao mundo em que vivemos e do qual fazemos parte; somos capazes de contemplar a nós mesmos e ao mundo como objetos.

Por outro lado, o coração humano tem desejos insaciáveis ​​de amor e felicidade que o levam a doar-se – mais ou menos apropriadamente – a pessoas e empresas. Tudo isso é uma parte inata de nosso próprio ser, e está sempre conosco, embora às vezes esteja oculto devido a doença ou falta de consciência.

Para resumir: os seres humanos são parte do mundo, mas, ao mesmo tempo, nós o transcendemos através de nossa capacidade única – devido à nossa inteligência e liberdade – de dominá-lo, sentindo o impulso para a ação com esse objetivo. Assim, podemos aceitar que o valor de todo ser humano é de uma ordem superior à de todos os outros seres do cosmos. E nós chamamos esse valor “dignidade humana“.

A dignidade de todo ser humano é um valor único e fácil de reconhecer. Podemos descobrir isso em nós mesmos e podemos ver nos outros. Mas não podemos conceder isso, nem podemos tirá-la de alguém. É algo que nos é dado por um poder superior. É independente de nossa vontade e nos chama a responder, reconhecer e aceitar isso com gratidão proporcional como um valor supremo.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
dignidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia