Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

São José: catedral que protegeu Maria e o Menino Jesus

GROTA MLECZNA W BETLEJEM
Compartilhar

Um exemplo para todos os pais

José protegeu Jesus desde o ventre materno, antes mesmo de saber da origem divina daquela criança . As sagradas escrituras relatam que, estando ele para casar-se com Maria, ao descobrir que ela estava no quarto mês de gravidez, não sendo ele o pai, planejou separar-se segundo a lei dos judeus, mas temeu pela segurança de Maria e do bebê, pois, segundo a lei judaica, a noiva de um homem que concordar em ter relações sexuais com outro homem deve ser apedrejada até a morte (Deuteronômio 22, 23,24).

Então, resolveu ir embora sem denunciar Maria (Mateus 1,19-25). Porém, quando o anjo apareceu e lhe contou que Maria dizia a verdade, José, sem questionar, a tomou como esposa.

José era nobre de espírito e de linhagem, já que descendia do Rei Davi (Mateus 1,1-16 e Lucas 3,23-38); no entanto, era humilde de posses e, na caminhada para cuidar de um filho e de uma esposa, ele enfrentou todos os sacrifícios financeiros comuns aos pais pobres.

Podemos perceber isso quando a Bíblia narra que, passados oito dias do parto, José levou Maria ao templo para ser purificada e o menino para circuncidar. José ofereceu o sacrifício dos pobres, um par de rolas ou dois pombos, permitido apenas àqueles que não tinham condições de comprar um cordeiro (Lucas 2,24).

José é citado pouquíssimo na Bíblia, ainda menos do que Maria; no entanto, todas as vezes nas quais aparece, nos mostra o porquê de ele ter sido escolhido como esposo de Maria, pai terreno do menino Jesus e guardião de ambos.

Quando o anjo reaparece a José avisando que Maria e o Menino correm perigo, imediatamente José larga tudo e retira-se para o Egito levando Maria e o bebê. (Mateus 2,13-23) .

Quando Jesus ficou perdido no Templo, José, ao lado de Maria, procura por Ele de forma aflita por três dias (Lucas 2,48). José levava sua família a Jerusalém todo ano para a Páscoa e outras festas de preceito religioso, algo que significava um grande sacrifício para um carpinteiro pobre (Lc 2, 41).

Pai terreno do menino Jesus, esposo de Maria de Nazaré, protetor de ambos, patriarca da Santa Igreja e corredentor da humanidade.

O que dizer de um homem que fez jus a tais honrarias que lhes foram confiadas pelo próprio Deus, criador do universo?

José dedicou sua vida a zelar por Maria e a proteger Jesus. Sua dignidade o fez merecedor de carregar o menino Deus em seus braços, educá-lo e guiá-lo pelos caminhos da vida, humanamente falando.

Valentemente, José morreria se fosse preciso para proteger sua esposa e filho. Ele é o mais reto exemplo de pai da historia da humanidade.

Além de santo, perfeito, justo e casto, é um precioso exemplo de masculinidade por ter sido um homem decidido, forte, corajoso, honrado e de palavra.

Os homens de nosso tempo devem e precisam se espelhar mais no legado deste grande santo.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.