Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

3 perguntas que temos que fazer neste ano novo

WOMAN,WRITING,JOURNAL
Shutterstock
Compartilhar

Com estas perguntas, poderemos começar uma reflexão sobre os desafios e propósitos que movem a nossa vida

A vida é uma correria só. Entre estudos, trabalho, planejamento de férias, reuniões familiares e encontros sociais, nunca sabemos se teremos tempo suficiente no dia para completar nossas tarefas. Por isso, podemos esquecer de “comprovar” como os outros estão. Esquecemos de fazer perguntas essenciais para os que nos rodeiam.

Depois de passar um tempo examinando a minha própria vida, minhas prioridades e como eu gostaria que fossem minhas relações neste ano novo, apresento algumas perguntas que eu quero incorporar mais nas minhas conversas de 2019:

Como você está espiritualmente? 

Há algumas semanas, me fizeram essa pergunta. E foi por isso que resolvi escrever este artigo. Estava em um encontro com meus padrinhos.

Eu me sentei à mesa depois da oração. Estava a ponto de entregar-me à apetitosa comida quando meu padrinho me perguntou: “Nicole, como você está espiritualmente?”. Obviamente a pergunta me pegou desprevenida. Imediatamente, pensei: “Como assim? Quem faz uma pergunta dessas?”. Mas ele tinha motivos para perguntar quilo e eu não poderia supor que a pergunta viesse motivada por qualquer coisa diferente de querer saber simplesmente como eu estava espiritualmente. Enquanto eu respondia, minha reação interna me surpreendeu. Estava feliz por compartilhar minhas inquietudes. Era como se ninguém deveria fazer essa pergunta, pois nunca ninguém a tinha feito. Estava claro que, na minha vida, faltavam pessoas que fizessem perguntas profundas para que eu refletisse sobre o estado de minha alma no momento. 

Como você está administrando seu dinheiro?

O ano passado foi difícil para mim. Perdi minha mãe, minha avó e meu trabalho. Eu estava no fundo do poço. Mas com muita oração, perseverança e ajuda consegui superar. No entanto, em meio a todas as dificuldades, lembro-me de uma mensagem que recebi. Ela dizia algo assim: “Adoro sua personalidade otimista e sua atitude corajosa. Mas, às vezes, esse comportamento impede as pessoas de saberem como você está realmente e como te ajudar. Como você está economicamente e financeiramente?”. A mensagem foi a brisa fresca que eu precisava. Ela me obrigou a me examinar seriamente, a ver a máscara que eu estava vestindo e a perceber que as pessoas se preocupam comigo, mas elas nunca saberão me ajudar se eu continuar dizendo que tudo está bem, quando não está. A pergunta me deu a confiança que eu precisava para ser vulnerável e receber a ajuda que eu realmente precisava. 

Quando foi a última vez que você falou com seus entes queridos? 

Por causa da nossa rotina corrida, às vezes esquecemos da importância que certas pessoas têm em nossa vida. Sair da casa dos meus pais me deu muita liberdade, mas também me capacitou para entender como realmente está a minha família. Meus amigos me ajudam quando me perguntam quando foi a última vez que falei com meus parentes e me motivam a procurá-los para saber como eles estão. 

Enfim, eu aprendi que as perguntas profundas revelam a verdade e nos ajudam a identificar nossas prioridades e a manter como básicas as coisas essenciais. Agora que sentimos o ar fresco do ano novo, meu objetivo é fazer mais perguntas profundas e desafiar meus amigos a fazê-las para mim.