Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Atualidade

“O futuro pertence a quem tem filhos, não coisas”

DUŻA RODZINA KATOLICKA

Shutterstock

Padre Paulo Ricardo - publicado em 09/01/19

Forte discurso do Arcebispo da Filadélfia, que incentiva os católicos a retomarem os valores cristãos da família

Dom Charles Chaput, Arcebispo da Filadélfia, fez um ardente discurso a respeito dos problemas que o mundo ocidental tem de enfrentar e encorajou os católicos empenhados na reconstrução da cultura a casar-se, ter filhos e educá-los na fé. Em discurso no Instituto Napa, d. Chaput lamentou a atual crise dos Estados Unidos.

“A natureza e o ritmo das mudanças culturais hoje em dia não têm precedentes”, observou. “Elas ocorrem de maneira extraordinariamente rápida. E seguem em passo acelerado.” Tais mudanças são verdadeiras “transformações — no âmbito de nossa filosofia legal, de nossa moral sexual, de nossa demografia, filosofia da educação, economia e tecnologia”, disse.

A pílula contraceptiva e a cisão entre sexo e procriação modificaram o sentido fundamental da sexualidade“, disse d. Chaput. E o ativismo a favor do “casamento” homossexual passou a exigir não só aceitação, mas também aprovação, disse. “O ativismo homossexual alimenta-se agora de uma paixão moral pelos direitos gay e pelo reconhecimento da sociedade”, advertiu. “De um ponto de vista bíblico, trata-se de um paixão profundamente viciada. Os argumentos a favor da liberdade religiosa e da liberdade sexual baseiam-se em duas concepções diferentes do homem e do sentido de nossa sexualidade. Mas uma paixão moral, ainda que esteja errada, é sempre poderosa.”

“É por isso que as concessões a uma aparente igualdade gay já não são o bastante”, continuou, ao observar que o principal ativista e financiador do movimento LGBT, Tim Gill, afirmou recentemente querer “punir” aqueles que discordam.

D. Chaput elogiou ainda a Becket Law (antigo “Fundo Becket para a Liberdade Religiosa”) e a Alliance Defending Freedom (“Aliança de Defesa da Liberdade”), dos Estados Unidos, por seus trabalhos de proteção ao direito de objeção de consciência.

“A influência da Bíblia na sociedade americana é muito menor do que era no início. E a nossa percepção moral de quem somos e do sentido de nossas vidas encontra-se muito mais fragmentada“, disse d. Chaput. “A única maneira de criarmos vida nova em nossa cultura é vivermos alegre e fecundamente, como indivíduos orientados por convicções maiores do que nós mesmos e compartilhadas por pessoas que conhecemos e amamos. Trata-se de um caminho ao mesmo tempo muito simples e muito árduo. Mas é o único caminho para uma mudança efetiva.”

E continuou:

Quando jovens me perguntam como transformar o mundo, digo-lhes que se amem uns aos outros, que se casem, permaneçam fiéis, tenham muitos filhos e os eduquem para ser homens e mulheres de caráter cristão. A fé é uma semente. Ela não floresce da noite para o dia. Precisa de tempo, amor e dedicação. O dinheiro é importante, mas não é nunca o mais importante. O futuro pertence às pessoas que têm filhos, não coisas. As coisas quebram e se enferrujam. Mas toda criança é um universo de possibilidades que alcança a eternidade, unindo nossas memórias e esperanças, como um sinal do amor de Deus ao longo das gerações. É isto o que importa. A alma de uma criança existirá para sempre.
Se você quer saber como será o rosto da Europa daqui a cem anos, a não ser por um milagre, olhe para o rosto dos jovens imigrantes muçulmanos. O Islã tem futuro porque acredita nas crianças. Sem uma fé transcendente que faça a vida valer a pena, não há nenhuma razão para ter filhos. E onde não há filhos, não há imaginação, não há motivo para sacrificar-se e não há futuro. Pelo menos seis dos líderes nacionais europeus mais velhos não têm filhos. O mundo deles se encerra com eles. É difícil evitar a sensação de que boa parte da Europa, ou já está morta, ou está morrendo sem dar-se conta disso.

D. Chaput citou também as palavras do Cardeal Robert Sarah em seu novo e elogiado livro, A Força do Silêncio.

“Deus renova o mundo ao renovar primeiro cada pessoa, preciosa e imortal, no silêncio de sua alma”, disse ele. “Deus não está ausente do mundo. Somos nós que tornamos impossível escutá-lo. Por isso, o primeiro desafio da vida cristã hoje em dia é desconectar-se, é fomentar o silêncio que nos permite ouvir a voz de Deus e abrir espaço para aquela conversa a que chamamos oração.

D. Chaput disse que a internet pode tornar-se “uma fonte de isolamento”. “O espírito humano começa a morrer de fome pouco a pouco” quando confiamos apenas na tecnologia, disse. “Usamos nossas ferramentas, mas elas também nos usam. Elas moldam o nosso modo de pensar, de agir e de ver o mundo. O homem tecnológico vê o mundo, não como um dom de Deus — com a sua própria finalidade e sentido, para ser guardado e administrado —, mas como um conjunto de coisas mortas a serem organizadas e utilizadas.”

Uma tal atitude “acaba por difundir a maneira com que tratamos o meio ambiente, os outros seres vivos, as pessoas, a nós mesmos e os nossos próprios corpos.”

Nós não vemos todos os efeitos do bem que praticamos nesta vida“, concluiu d. Chaput, lembrando-se de como um amigo viu certa vez um bordado que, de perto, não passava de uma “centena de nós feios e emaranhados num caos de formas confusas e sem sentido”. Na verdade, era o Tapiz do Apocalipse de São João, uma conhecida obra de arte europeia. “É uma das mais belas e surpreendentes expressões da civilização medieval e uma das maiores realizações do patrimônio artístico europeu”, disse d. Chaput. “Grande parte do que fazemos parece um emaranhado de frustrações e fracassos. Não vemos — deste lado do bordado — o padrão de sentido que sobre ele tece a nossa fé.”

“Um dia, porém, nós veremos tudo do outro lado”, disse. “E naquele dia, enxergaremos a beleza que Deus permitiu-nos acrescentar à grande história da criação, a revelação do seu amor que perpassa geração após geração, não importa o quão bons ou maus sejam os tempos. E é por isto que a nossa vida tem importância.

(Fonte: site Padre Paulo Ricardo)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FamíliaFilhosValores
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia