Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Atualidade

95% dos médicos da Irlanda se negam a praticar abortos

8TH AMENDMENT,IRELAND,ABORTION

Photograph by the Pro Life Campaign | Ireland

Reportagem local - publicado em 10/01/19

Além das razões científicas e éticas, os profissionais denunciam que a aprovação apressada da lei pró-aborto trouxe riscos para as gestantes

Desde 1º de janeiro deste ano, as irlandesas podem abortar livremente até a 12ª semana de gestação, independentemente de justificativa, com base na lei pró-aborto aprovada no ano passado a partir da derogação da Oitava Emenda constitucional, que garantia o respeito à vida humana desde a concepção.

O jornal irlandês Southern Star noticia, no entanto, que menos de 5% dos médicos do país se dispôs até agora a praticar abortos: 95% deles são contrários à nova lei não apenas por convicções científicas e éticas sobre o estatuto do nascituro como ser humano de pleno direito, mas também porque os hospitais sequer tiveram tempo de se adequar à nova legislação por causa da extraordinária pressa com que ela foi promulgada.

No tocante à tão alardeada “segurança para as gestantes”, argumento tergiversado à exaustão pelos ideólogos do aborto livre, os médicos irlandeses denunciam, por exemplo, a falta de máquinas de ultrassom, de diretrizes clínicas e de pessoal treinado para executar (literalmente) o assim chamado “procedimento”.

Outra questão relevante é a da objeção de consciência: embora ela seja considerada na lei como um direito dos médicos, não há garantias trabalhistas que protejam objetivamente os profissionais que se negarem a praticar abortos com base nesse direito.

Existem também severas críticas ao fato de que a nova lei autoriza meninas de 15 anos ou até menos a abortarem não apenas sem necessidade de consentimento dos pais, mas sem sequer o conhecimento deles.

Além disso, a legislação abortista obriga os contribuintes irlandeses a financiarem os abortos, que são oferecidos pelo sistema público de saúde, e força os hospitais a praticá-lo, inclusive os católicos.

Ativistas pró-aborto preferiram atribuir a baixa adesão dos médicos ao que chamaram de “medo de represálias” por parte dos movimentos pró-vida.

__________

Com informações de LifeNews.com

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
AbortoIdeologia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia