Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Freira celebra 100 anos de vida com Santa Missa: “A vocação foi um presente”

Irmã Corina
Agência Informativa Católica Argentina (AICA)
Compartilhar

"Eu confio na grande misericórdia de Deus. Agradeço a ‘Jesuzinho’ querido, que me deu uma vida longa"

A irmã Corina Ciappina, da congregação argentina das Irmãs de Nossa Senhora das Mercês do Divino Mestre, comemorou 100 anos de idade no último mês de dezembro participando com familiares e amigos de uma Celebração Eucarística em agradecimento a Deus. Na ocasião, ela declarou que está “cada vez mais feliz“.

Nascida na Itália em 1918, a segunda de quatro irmãos se mudou com a família para a Argentina quando criança. Batizada Santina, a futura irmã Corina entrou ainda adolescente no Instituto das Filhas de Maria Santíssima do Horto, mas, por problemas de saúde, não pôde permanecer. Pouco depois, em 1933, conheceu em Córdoba o Colégio Nossa Senhora das Mercês e do Divino Mestre, pertencente à congregação de mesmo nome, cuja missão é educar e dar formação cristã a crianças e jovens:

“Fui à Missa lá com a minha família e fiquei impressionada com a grande piedade das religiosas. Elas oravam com grande fervor. Ao ver as irmãs com um fervor tão grande, eu disse: tenho que vir para cá”.

Santina entrou na congregação aos 16 anos. Mais tarde, adotaria o nome religioso de irmã Corina.

“Eu confio na grande misericórdia de Deus. Agradeço a ‘Jesuzinho’ querido, que me deu uma vida longa”.

Conversando com simplicidade e serenidade apesar das limitações físicas, a religiosa também comentou que pede perdão a Deus pelos pecados cometidos “na minha vida religiosa e civil“. Aos 99 anos, ela sofreu uma queda e fraturou o quadril, o que a levou a usar a cadeira de rodas em que hoje se locomove.

Ao longo da vida religiosa, a irmã Corina foi professora e diretora da antiga escola da Imaculada na diocese argentina de Quilmes. Além do país de fundação, a sua congregação está presente no Uruguai e na Espanha.

___________

Com informações da AICA e da ACI Digital