Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Filofobia: supere o medo de amar

Compartilhar

Você tende a se afastar quando começa a gostar de alguém? Então leia isto

Clique aqui para abrir a galeria de fotos

Você sente medo só de pensar em formalizar uma relação? Isso é o que costumamos chamar de complexo de Peter Pan. Porém, esse comportamento pode esconder um problema maior: a filofobia, que é o medo de se apaixonar e amar principalmente por medo de sofrer. É que o amor inclui entrega e, em uma distorção de sentimentos, podem haver pessoas que têm mais medo dessa suposta parte “negativa” dos relacionamentos. Mas, como para todas as fobias, existe cura para isso. Saber identificá-la é parte da solução. 

Os psicólogos lembram que filofobia costuma aparecer em pessoas que tiveram algum trauma. Ou seja: este tipo de comportamento tem uma origem. Pode ser um episódio muito grande ou um simples desamor na juventude. 

Por isso, os especialistas dizem que é fundamental enfrentar os desafios da superação depois do término de um relacionamento. Vale lembrar que o medo de amar pode levar à solidão e até à depressão. 

Estas são as recomendações dos psicólogos: 

1. Não ter medo dos problemas 

Os desencontros são os principais medos em qualquer relação. O importante é comunicar, ter respeito com o outro e manifestar nosso ponto de vista. Não podemos nos fechar nem fingir que está tudo bem. Isso machuca. Mais do que esconder os problemas, é preciso aprender a enfrentá-los e negociar;

2. Conhecer seus valores

Parece fácil, mas conhecer a si mesmo é uma das tarefas mais difíceis que podemos encontrar. Nesta vida corrida, às vezes nem paramos para pensar em quem somos e quais são os nossos valores mais firmes. Faça isso. Essa atitude vai te ajudar a enfrentar os problemas conjugais e cotidianos com mais força e determinação;

3. Se você não vê saída, procure um terapeuta

Em casos mais graves, quando há manifestações físicas como tremores e suor nas mãos, é preciso procurar um terapeuta. Fechar-se ao amor é fechar-se à sociedade, quando estamos destinados ao contrário. Somos destinados a amar, a doar, a compartilhar. E precisamos fazer isso sem medos, sem colocarmos muros. Porque a filofobia é um muro interno. E, apesar da ajuda externa, só você poderá derrubá-lo. Para receber segurança e amor dos outros, primeiro você tem que estar disposta a isso. Em muitas situações, o amor é interpretado de forma errada e, com isso, criam-se ideias egoístas. E lembre-se: para estar bem com o outro é preciso estar bem consigo mesmo. 

Quando você superar a filofobia e estiver querendo se entregar a um novo amor, você vai se render às cinco fases do amor. Veja quais são na galeria de fotos abaixo: