Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que pode levar um policial ao suicídio?

POLICE LIGHTS
ArtOlympic | Shutterstock
Compartilhar

Alguns fatores de risco específicos

A cada 40 segundos, uma pessoa no mundo comete suicídio. Este é um grande problema social e mesmo de saúde pública, pois 90% das pessoas que cometem suicídio têm algum transtorno mental. Os policiais correm mais risco de tirar suas próprias vidas do que pessoas em outras profissões e têm, conforme veremos, alguns fatores de risco específicos para isso.

Pelo fato de terem acesso a armas de fogo, os policiais apresentam um risco maior de ter um desfecho letal de uma tentativa de suicídio. Embora o ingresso na Polícia requeira um teste psicológico que seleciona pessoas mais saudáveis para o trabalho, o acesso a armas de fogo pode contribuir para esses profissionais terem maior risco de suicídio.

Outro fator de risco é o transtorno de estresse pós-traumático, que acomete pessoas após um trauma grave. Os traumas que desencadeiam o transtorno são comumente situações de extrema violência, mais comuns na vida do policial do que na vida do não policial. O transtorno de estresse pós-traumático envolve uma ansiedade grande e um sofrimento significativo com coisas que lembrem do evento traumático.

Fora de quadros de estresse pós-traumático, a ansiedade também é um fator de risco para ideação suicida em quem tem depressão. Ela é um importante fator de risco para suicídio, que acomete 1 a cada 20 pessoas nas grandes cidades. Especialmente pelo sofrimento que gera e pela desesperança associada ao quadro, pessoas com depressão têm um risco aumentado.

Pessoas com depressão ou transtornos ansiosos trazem mais chance de abusar de álcool e drogas. O uso de tais substâncias, especialmente se acontece com muita frequência ou em grandes quantidades, está associado ao agir impulsivamente, sem refletir. De fato, o agir com pouca reflexão é um risco para quem está pensando em tirar a própria vida, pois um flerte com a saída suicida pode levar a pessoa a realmente cometer um ato fatal.

A ideação suicida é outro fator de risco para o suicídio. Sabe-se que pensar em tirar a própria vida está associado à depressão e a outros transtornos psiquiátricos. O tratamento desses problemas por um profissional habilitado pode ajudar muito essas pessoas.

Por fim, é preciso cuidar muito bem da saúde mental de toda a população, especialmente da dos policiais que têm essa missão tão importante e desafiadora de proteger a nossa sociedade. É importante estar atento, e buscar a avaliação de um médico psiquiatra, quando os sintomas estiverem presentes, pois o tratamento pode aliviar o sofrimento e salvar vidas. Numa urgência, deve-se procurar um pronto-socorro para uma avaliação médica.