Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Você pede perdão para seu filho quando você erra?

PARENTING
Zodiacphoto - Shutterstock
Compartilhar

Ou é daquele tipo de pai ou mãe que pensa que reconhecer as próprias falhas é um gesto de fraqueza?

São muitas as normas sobre educação que, de tão repetidas, acabam sendo consideradas verdades absolutas e irrefutáveis. 

Muitos pais e mães acham que pedir perdão aos filhos é um erro, pois seria um sinal de fraqueza. Eles acreditam que um pai tem que ser modelo de comportamento para os filhos e que jamais deve se mostrar fraco. Reconhecer um erro, arrepender-se e pedir desculpas seriam coisas impossíveis para eles. 

Essa visão gera um problema educativo, pois mostra aos filhos uma imagem falsa dos pais. Como eles buscam que os filhos tenham melhores oportunidades, acabam ensinando aos pequenos somente aquilo que eles querem que as crianças vejam em sua personalidade. Mas isso não pode ser positivo, pois não corresponde à realidade. Assim, os pais não são sinceros com os filhos, porque omitem uma parte importante da condição humana: a que erra. Depois, em algum momento, vamos ter que dizer aos nossos filhos que errar é humano e eles não vão entender nada.

Nós precisamos reconhecer e mostrar às crianças que um ser humano também passa por maus momentos. Momentos em que choramos ao darmos conta de que estamos errados, momentos de arrependimento e momentos  em que precisamos buscar soluções para os problemas gerados pelos nossos erros. 

O ser humano erra porque ninguém é perfeito. E é importante reconhecer isso. Equivocar-se nem sempre é um sinal de fraqueza, mas uma demonstração de que estamos avançando, pois ninguém nunca conseguiu nada importante sem ter errado antes. 

Por isso mesmo é que temos que nos mostrar tal como somos. Temos que poder rir diante de nossos filhos e chorar na frente deles. Assim, eles saberão que é normal sentir alegria e que a tristeza também faz parte. Por acaso não queremos que nossos filhos nos expliquem o que lhes aflige quando eles têm algum problema? 

Para isso, é importante mantermos com eles uma comunicação sincera para expressarmos nossas emoções e deixarmos de buscar desculpas para mostrar uma imagem perfeita e falsa de nós mesmos.

Então como pedir perdão? 

  • Pedir perdão é reconhecer, com humildade e sinceridade, que os adultos e os pais também erram, que não somos infalíveis e que, às vezes, também agimos contra os nossos princípios;
  • Pedir perdão é a melhor maneira de reconhecer o erro e, de certo modo, solucioná-lo. Não é uma fraqueza confessa, é uma sabedoria, pois, assim, nossos filhos saberão que eles também vão errar várias vezes e que o correto, o que dignifica é saber reconhecer o erro, pedir perdão e solucionar o problema;
  • Pedir perdão é, pois uma maneira de ter empatia com nosso filhos e de ensiná-los a tolerar a frustração. 

O valor do exemplo 

O importante não é o que falamos, mas o que fazemos, como nos comportamos e nos relacionamos com os nossos filhos. Se quisermos ter filhos capazes de reconhecer os próprios erros e de pedir perdão, devemos ser exemplos nesse sentido

Se quisermos ter filhos capazes de buscar soluções quando se equivocarem, temos que mostrar a eles que nós também dizemos “sinto muito, errei, o que posso fazer para consertar meu erro?”. 

Se quisermos ter filhos livres, que não se envergonhem de seus sentimentos, que sejam capazes de rir e chorar e que nos falem como estão se sentindo, temos que nos mostrar como somos: imperfeitos, humanos, sensíveis e comunicativos.