Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como lidar com sentimentos negativos em relação à gravidez

PREGNANCY
Shutterstock
Compartilhar

Eu ouvi de muitas mães que elas amam seus bebês, mas odeiam estar grávidas

Estive grávida quatro vezes e em cada uma das minhas quatro gravidezes sofri de hiperêmese gravídica.

A hiperêmese gravídica ficou no centro das atenções em 2012, quando Kate Middleton, Duquesa de Cambridge, sofreu com isso enquanto esperava seu primeiro bebê. É uma condição rara que resulta em náuseas e vômitos graves, levando à perda de peso e à necessidade de intervenção médica durante a gravidez. Esse problema também comumente causa depressão pré-natal e pós-natal, devido à sobrecarga física e mental.

Quando eu estava esperando meu primeiro filho, entrei na gravidez com ansiedade. Eu esperava que a gravidez transcorresse bem e que fosse um momento divertido de expectativa. Eu não esperava estar doente demais para sair da cama. Eu não esperava me sentir fisicamente miserável até que eu desse à luz. Eu não esperava sofrer de depressão durante a gravidez e não esperava que a depressão pós-parto fosse tão grave.

Eu não estou sozinha na minha experiência de gravidez. Para muitas mulheres, a gravidez não é um momento agradável. Seja de sintomas duros, comentários indesejados de todos, desde familiares a estranhos, ou o estresse normal que vem do crescimento de um novo ser humano, a gravidez é, muitas vezes, mais desafiadora do que as mulheres esperam que seja. Eu ouvi de muitas mães (mesmo mães com gravidez mais tranquila) que elas amam bebês, mas odeiam estar grávidas.

Muitas mulheres se sentem culpadas de admitir que odeiam a gravidez. Outras se sentem mal admitindo que não ficaram felizes quando viram o resultado positivo no teste de gravidez. Outras ainda lutam para não ter sentimentos avassaladores por seu recém-nascido.

Todos esses sentimentos são normais, e muitas mulheres os experimentam. Como podemos lidar com sentimentos negativos indesejáveis ​​em torno da gravidez e do parto?

Tenha expectativas realistas

Gravidez e pós-parto são tempos física e emocionalmente exigentes. Os hormônios de uma mulher flutuam muito durante esse tempo, e não é realista esperar que você se sinta do jeito que normalmente se sentiria.

Há um ditado que diz que “toda gravidez é diferente”, e é verdade. As experiências de gravidez nunca são as mesmas. Sua melhor amiga, irmã ou mãe pode ter tido poucos sintomas e ter sido capaz de manter seu horário habitual durante a gravidez. Você pode precisar ir para a cama, sofrer de anemia induzida pela gravidez ou ter um bebê na UTI neonatal (UTIN). Sua experiência pode tornar impossível para você continuar com a vida como de costume, e tudo bem.

Seja paciente consigo mesma

Tornar-se mãe (pela primeira vez ou pela oitava vez) é uma grande mudança de vida. Algumas pessoas se adaptam a mudanças com facilidade. Para outras, é um processo muito mais longo. O tempo que você leva para se adaptar à maternidade pode ser afetado por muitos fatores, como a força do seu sistema de apoio, sua saúde, seu temperamento etc. A necessidade de mais tempo para se ajustar a uma nova fase da vida não é sinal de fraqueza.

Você pode não se sentir da maneira que esperava sentir em relação ao seu bebê. Tudo bem. Algumas mães se sentem instantaneamente ligadas ao filho, enquanto leva mais tempo para outras mães. Todo relacionamento da mãe e do bebê é diferente. Não se sentir de uma determinada maneira não é um sinal de que você não ama seu bebê ou é uma mãe ruim. Pode significar apenas que você precisa de mais tempo para se ajustar.

Lembre-se que o amor é uma atitude diária

Eu tive gravidezes difíceis seguidas de depressão pós-parto com cada um dos meus quatro filhos (incluindo o bebê que perdi em um aborto espontâneo). O tempo que levei para relacionar-me com cada um deles variou bastante, mas asseguro-lhe que estou loucamente apaixonada por cada um deles. Quando eu estava sofrendo de depressão pós-parto, muitas vezes me sentia culpada por não sentir um certo afeto em relação ao meu bebê. Nesses momentos, tentava me lembrar de que o amor não é um sentimento. O amor é uma atitude.

É fácil amar alguém quando você sente afeição por ele, mas isso não é necessariamente amor verdadeiro. O amor verdadeiro – como a nossa fé nos lembra, através do exemplo de Cristo – é um amor que escolhe sofrer pelo bem do amado. Às vezes, esse sofrimento é grande, mas, muitas vezes, é pequeno, oculto e cotidiano.

O amor de uma mãe tem menos a ver com se sentir de certo modo, e mais com o compromisso diário de cuidar e proteger uma criança. O amor é escolher se levantar e alimentar o bebê. O amor é escolher trocar mais uma fralda. O amor é escolher engravidar, sabendo que pode significar sintomas desagradáveis ​​e trabalho doloroso. O amor consiste nos sacrifícios diários da maternidade.

Então, mesmo quando você não sente o que você esperava sentir em relação ao seu filho, lembre-se: o amor é mais do que um sentimento. O amor é a escolha diária por cuidar do seu filho, nascido ou não. O amor está escolhendo persistir, mesmo quando é difícil.

 

Tags:
gravidez