Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que o Papa Francisco carrega em sua maleta de mão?

papa panama
Compartilhar

Acessório chamou a atenção já na primeira viagem apostólica de Francisco e sempre está com o pontífice em suas jornadas

Na primeira viagem apostólica de Francisco (em 2013, quando participou da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro), a maleta de mão que o Papa carregava já chamou a atenção e despertou a curiosidade do mundo todo.

Trata-se de um modelo muito usado por executivos. Inclusive, é a mesma maleta que Bergoglio carregava quando andava para cima e para baixo de ônibus e metrô em Buenos Aires.

Agora, em sua viagem para o Panamá, onde participa da Jornada Mundial da Juventude, a cena se repetiu: Francisco subiu no avião carregando a famosa maleta preta. Mas o que será que o Papa leva nela?

papa panama
Vatican News

Para responder a esta dúvida, temos que retornar a 2013. Naquele voo de volta do Rio para Roma, o pontífice matou a curiosidade de um jornalista que perguntou o que havia dentro da bolsa. O Santo Padre respondeu com muito bom-humor (como sempre!):

“Não tinha a chave da bomba atômica! Eu sempre fiz isso. Quando viajo, levo minhas coisas. E, dentro, o que tem? Um barbeador, um breviário (livro de liturgia), uma agenda, tinha um livro para ler, sobre Santa Terezinha. Sou devoto de Santa Terezinha.”

Perguntado também sobre o fato de ele próprio carregar a bagagem (algo inédito entre os papas), Francisco respondeu: 

“Eu sempre levei eu mesmo a minha maleta. É normal. Nós temos que ser normais (…). Temos de nos habituar a sermos normais, à normalidade da vida.”