Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

O longo caminho da reconstrução econômica na Venezuela

© Flickr

Vue des collines de Caracas (Venezuela).

Agências de Notícias - publicado em 27/01/19

Os dados desenham uma situação de colapso econômico, com uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 50% desde 2013

Seja qual for o curso político tomado pela Venezuela, onde nesta semana o chefe do Parlamento de oposição Juan Guaidó proclamou-se presidente interino, em desafio ao governo do presidente Nicolás Maduro, a reconstrução econômica do país será longo, destacam economistas e observadores no Fórum de Davos.

“É um caminho longo para chegar aos níveis de vida que o país conheceu há muito tempo”, afirma Richard Hausmann, economista venezuelano radicado nos Estados Unidos que dirige o Centro para o Desenvolvimento Internacional da universidade de Harvard e foi ministro de Planejamento da Venezuela durante o governo de Carlos Andrés Pérez (1989-1993).

Os dados desenham uma situação de colapso econômico, com uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 50% desde 2013 – ano em que Maduro chegou ao poder -, salário mínimo de sete dólares e inflação que em 2018 fechou em 1.700.000%.

Isso é consequência da enorme escassez de alimentos e medicamentos que levou a um êxodo maciço de venezuelanos. Segundo dados da ONU, 2,3 milhões de pessoas saíram do país desde 2015.

“É um tema muito significativo (para a região), estamos falando de milhões de pessoas que deixaram a Venezuela”, afirma Gaspard Estrada, especialista de América Latina no Instituto de Ciências Políticas de Paris.

A crise migratória também explica o fato de grande parte dos países latino-americanos ter reconhecido Guaidó como presidente interino, como fizeram os Estados Unidos.

“A velocidade do empobrecimento dos venezuelanos é assustadora. Cerca de 80% dos venezuelanos hoje vivem na pobreza”, segundo o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Alberto Moreno, que na quinta-feira expressou oficialmente sua “vontade de trabalhar” com Guaidó.

– Boom petroleiro e expropriações –

Haussman estabelece as origens da situação atual na chegada de Hugo Chávez ao poder em 1999. “Tirou todos os direitos econômicos da sociedade. Expropriou a torto e a direito, empresas petroleiras, de aço, de cimento, bancos, supermercados, 6 milhões de hectares agrícolas”, afirma, com a consequência de “destruir” o setor privado.

O governo de Chávez se beneficiou, contudo, do boom petroleiro a partir de 2004. Com as receitas petrolíferas, ele pode aumentar as importações dos bens que o país não produzia e também se endividar nos mercados internacionais.

Esse ciclo começou a ser rompido em 2013, quando os mercados começaram a ter dúvidas sobre a solvência da Venezuela e que se agravou em 2014, com a queda do preço do petróleo, que obrigou a reduzir drasticamente as importações de bens básicos, agravando a escassez.

Símbolo deste declínio é a queda da produção petroleira, atualmente de 1,1 milhão de barris diários, seu nível mais baixo em 30 anos, pela falta de investimentos, apesar de o país ter as maiores reservas de petróleo do planeta.

– ‘Repensar’ a Venezuela –

De acordo com Hausmann, o futuro econômico da Venezuela passa em primeiro lugar “devolver à sociedade seus direitos (econômicos) para que possa organizar a produção”. E, em segundo lugar, dando fim à escassez de divisas, com um financiamento internacional maciça que, de acordo com o economista, deveria ser coordenada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Tudo isso ocorre paralelamente a um plano de ajuda humanitária urgente para cobrir as necessidades básicas da população.

A reconstrução dependerá dos rumos políticos da Venezuela, mais incerto que nunca após a proclamação de Juan Guaidó nesta semana.

“A principal prioridade é organizar eleições livres, transparentes e com observadores internacionais o quanto antes”, afirma Moisés Naím, escritor e jornalista venezuelano que também foi ministro durante a presidência de Carlos Andrés Pérez (1989-1993).

“A Venezuela tem um longo caminho pela frente, a Venezuela tem que ser reconstruída, refundada, repensada, refeita”, afirma.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia