Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Lama de barragem da Vale polui rio e afeta comunidade indígena

MUD
Compartilhar

As buscas, interrompidas durante a noite, foram retomadas na manhã de segunda-feira com o apoio de um contingente de 136 especialistas procedentes de Israel

O vazamento de lama e rejeitos de mineração que se seguiu ao rompimento da barragem da companhia Vale na Mina do Córrego do Feijão, na cidade de Brumadinho (MG), avançou até o rio Paraopeba, afetando o abastecimento de água potável de uma comunidade indígena, informaram fontes da região.

“Ontem [domingo] às 4h da manhã reparamos que o rio já chegou sujo, e às 16h começaram a aparecer os peixes mortos”, disse por telefone à AFP o cacique Háyó Pataxó Hã-hã-hãe, que se reuniu nesta segunda-feira (28) com um representante da Fundação Nacional do Índio (Funai).

A aldeia Naô Xohã (“espírito guerreiro”) é formada por 27 famílias que vivem nas margens do Paraopeba, no município São Joaquim de Bicas, – a cerca de 20 km de Brumadinho -, onde ocorreu a tragédia que, segundo o último balanço provisório, deixou 60 mortos e 292 desaparecidos.

“Eles estão em uma área segura em relação à posição do rio e até ontem nos informaram que tinham pequenas reservas de água”, afirmou em nota Jorge Luiz de Paula, coordenador regional da Funai, que esteve na comunidade.

A enxurrada de lama teve início com o rompimento da barragem da Vale, na sexta-feira. No sábado, os rejeitos começaram a chegar ao rio Paraopeba, a poucos quilômetros das instalações, segundo porta-vozes de governos municipais da região.

Nesta segunda-feira, a Funai levou doações à comunidade indígena, que com a poluição do rio ficou privada de água potável e de pescar, o que também ameaça sua alimentação.

“Estamos em uma situação muito séria (…). Dependíamos do rio e o rio morreu. Não sabemos o que fazer”, disse o cacique Háyó.

A Secretaria do Meio Ambiente informou que está preparando um informe sobre a situação do rio Paraopeba.

“É muito preocupante, a gente viu o avanço da lama tóxica, a perspectiva é que ela avance 220 kms até a barragem [da usina hidrelétrica] de Retiro Baixo, onde se diz que esses rejeitos podem ser contidos”, disse à AFP Marcelo Laterman, geógrafo e porta-voz da campanha Clima e Energia do Greenpeace.

Ao chegar ao complexo de Córrego do Feijão, “vimos o impacto no leito do rio, que estava completamente destruído, assim como as áreas de vegetação”, acrescentou.

Balanço

O rompimento da barragem em Brumadinho deixou pelo menos 60 mortos e 292 desaparecidos, de acordo com um balanço atualizado divulgado por autoridades.

As autoridades também informaram que 382 pessoas foram localizadas e 192 resgatadas com vida.

A catástrofe de sexta-feira liberou uma avalanche de lama e resíduos de mineração que avançou pelo complexo de Brumadinho, cidade de 39.000 habitantes próxima da capital de Minas Gerais.

O balanço de domingo à noite registrava 58 mortos e 305 desaparecidos.

As buscas, interrompidas durante a noite, foram retomadas na manhã de segunda-feira com o apoio de um contingente de 136 especialistas procedentes de Israel.

“A prioridade é procurar sobreviventes e vítimas”, disse o o governador de Minas Gerais, Romeu Zema.

Apesar da possibilidade cada vez menor de encontrar sobreviventes, o porta-voz da Defesa Civil, tenente-coronel Flávio Godinho, disse que “ainda há chances de encontrar pessoas com vida”.

(AFP)

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.