Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como lidar com a falta de paciência em casa

ROZPLANOWANIE CZASU
STIL/Unsplash | CC0
Compartilhar

O problema pode ser como você está priorizando o seu tempo

Quando sobrecarregamos nossas vidas e não temos prioridades claras, a falta de paciência pode realmente ser uma manifestação de sofrimento emocional.

Desde meus primeiros dias de maternidade, ter paciência tem sido uma luta. Crianças, especialmente bebês e crianças pequenas, não funcionam no horário adulto normal. Elas se encaixam em momentos inoportunos e, inevitavelmente, sujam a fralda quando você está saindo pela porta para uma consulta médica. Eu sempre soube que não sou uma pessoa particularmente paciente, mas nada evidenciou o quão carente estou nessa virtude particular como a maternidade.

Ao longo dos anos, desenvolvi algumas boas estratégias para ser paciente em momentos de estresse e agitação. Quando estamos atrasados ​​e meu bebê começa a chorar por eu ter colocado meias nele, eu aprendi a respirar fundo e me lembrar que a frustração só vai agravar a situação e nos fazer atrasar ainda mais. Quando o trânsito está ruim ou uma rua está fechada, muitas vezes tenho que me forçar a aceitar a realidade dizendo: “chegaremos lá quando chegarmos e tudo ficará bem”.

Mas há uma situação em que nenhuma respiração profunda ou aceitação da realidade conseguiu me impedir de ficar totalmente fora de controle. Nenhuma das minhas estratégias provou ser útil ou eficaz naquela hora de alto estresse, duas vezes por semana, quando meus filhos chegam da escola e eu estou me preparando para sair para o trabalho. Por quase um ano, esta hora foi repleta de impaciência, irritação, frustração e lágrimas – tanto da minha parte quanto dos meus filhos.

Para meu desgosto, finalmente percebi que não havia nada que eu pudesse fazer “naquele momento” para ter mais paciência e diminuir meu nível de estresse. Para mudar a dinâmica naquela hora, eu teria que mudar tudo que levasse a ela. Como a escritora Anna Goldfarb aponta neste artigo do New York Times sobre o desenvolvimento da paciência, às vezes a impaciência é um resultado direto de expectativas irrealistas:

É preciso ser mais sensatos quanto ao estabelecimento de metas viáveis. “Às vezes nós nos reservamos ou não damos tempo suficiente para fazer as coisas”, disse ela. “Seja razoável em definir suas próprias metas para si, porque há apenas tantas coisas que você pode fazer em um período de tempo ou em qualquer dia”. Se a sua lista de tarefas tem 10 itens, mas você só pode razoavelmente realizar cinco, então você está se sabotando. Qualquer inconveniente tem o potencial de deixá-lo fora do rumo quando o seu dia está planejado para o minuto.

Eu não posso acelerar o tempo e não posso fazer as pessoas se moverem mais rápido. Eu não posso manipular essas coisas; a única coisa que posso manipular sou eu.

Naquela hora estressante, eu continuava tentando realizar muitas coisas. Em relação ao trabalho, eu estava me preparando para ele, ligando meu carro, terminando os textos de última hora, e me certificando de que não tinha esquecido nada. Em relação à casa, eu recebia as crianças da escola, ouvindo histórias sobre o dia, checando e ajudando nos deveres de casa e assinando bilhetes.

Não é de se admirar que, ao final daquela hora, meu nível de estresse estivesse no telhado, meu temperamento era explosivo e muitas vezes me via saindo da garagem perigosamente perto das lágrimas, convencida de que estava falhando tanto no trabalho quanto em casa.

Não havia como interceder para ter paciência durante aquela hora. A única maneira de evitar a falta de paciência era planejar com antecedência e remover os potenciais estressores.

Claro, meus filhos não são estressores que eu quero remover, e essa hora de conexão depois da escola é vital para eles e para mim. Então eu precisava remover todas as obrigações relacionadas ao trabalho, o que significava fazê-las com bastante antecedência. No início, tentei apenas iniciá-las mais cedo, por volta do meio-dia, em vez de 15h. Mas, inevitavelmente, as coisas aconteciam e eu me encontrava na mesma situação.

O que finalmente funcionou foi colocar tudo relacionado ao trabalho no início da minha lista de tarefas e fazê-lo assim que deixasse meus filhos na escola pela manhã. Às vezes eu até começava na noite anterior, se minha lista de tarefas fosse particularmente longa ou eu tivesse reuniões pela manhã. Basicamente, eu passei a dar aos meus filhos uma atenção especial depois da escola, minha maior prioridade, e tudo se encaixou em torno disso.

Eu não consigo expressar o quanto isso mudou nossas vidas. Meus filhos não precisam mais brigar por minha atenção, e eu não saio para o trabalho sentindo-me miserável e culpada. Aquela hora depois da escola, embora não seja exatamente pacífica (eu tenho 5 filhos!), é pelo menos razoavelmente calma, e tenho tempo para me conectar com cada um dos meus filhos.

Acontece que minha falta de paciência não era realmente uma falta de virtude, mas uma manifestação de sofrimento emocional sobre as prioridades concorrentes. Uma vez que eu coloquei meus filhos de volta no topo da minha lista de prioridades, que é onde eles pertencem, minha impaciência desapareceu… sem necessidade de respiração profunda.