Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como a antiga prática de observar as estrelas pode mudar você

ELQUI VALLEY
Shutterstock-Jess Kraft
Compartilhar

Olhar para as estrelas tornou-se moda entre os viajantes, mas é muito mais profundo do que isso

Depois de um dia cheio de tarefas, trabalho, computador e smartphone, tudo o que normalmente queremos é ir para a cama e fechar nossas janelas. O simples prazer de olhar para o céu não tem lugar na nossa agenda.

O fato de que olhar para o céu se tornou tão raro é a razão por trás de uma das crescentes tendências do turismo atual: o turismo das estrelas – ou “astroturismo”, como é conhecido.

Os céus escuros se tornaram cada vez mais atraentes para viajantes de todo o mundo que perseguem fenômenos naturais excepcionais como super luas, chuvas de meteoros ou eclipses apenas para testemunhá-los. Só em 2017, cerca de sete milhões de pessoas viajaram pelos EUA para ver o eclipse solar total.

Esses eventos únicos não são a única coisa que os observadores de estrelas estão procurando. De acordo com o Light Pollution Science and Technology Institute, 80% da massa de terra da Terra sofre poluição luminosa, então encontrar os lugares onde o céu está completamente escuro e as estrelas brilham mais se tornou um tesouro raro.

Olhar para o céu pode parecer uma nova tendência hoje em dia, mas na verdade faz parte de quem somos há séculos. Em uma entrevista para a Lonely Planet, J. Thomas Beckett, presidente do Clark Planetarium, de Utah, mencionou que “os astroturistas estão se reconectando com algo que tem um profundo significado primitivo para os humanos”.

Não é apenas um sentimento. Observar as estrelas é uma oportunidade para refletir sobre nós mesmos, para pensar sobre a grandeza que existe por aí, para nos questionarmos sobre o nosso lugar no mundo e para nos reconectarmos com o Criador. O silêncio de um céu noturno incrivelmente iluminado pode fazer isso. Como Madre Teresa coloca: “Precisamos encontrar Deus, e ele não pode ser encontrado no barulho e na inquietação. Deus é amigo do silêncio. Veja como a natureza – árvores, flores, grama – cresce em silêncio; veja as estrelas, a lua e o sol, como eles se movem em silêncio… Precisamos do silêncio para poder tocar as almas”.

Observar as estrelas também pode nos colocar em estado de admiração, provocando uma onda de emoções positivas, como compaixão, gratidão e abnegação. De acordo com um estudo da American Psychological Association, olhar para o céu noturno induz um sentimento de espanto e desencadeia admiração. Esta pesquisa explica que a reverência desempenha uma função social vital, porque diminui a ênfase no eu individual e pode encorajar as pessoas a renunciar a um interesse próprio estrito para melhorar o bem-estar dos outros e do mundo em geral.

Onde você pode encontrar os céus mais escuros para as suas próximas férias?

De acordo com a International Dark-Sky Association, existem mais de 100 locais internacionais certificados pela Dark Sky em meados de 2018. Aqui estão alguns deles:

  1. Mont-Mégantic International Dark Sky Reserve, Canadá
  2. Mayo International Dark Sky Park, Irlanda
  3. Brecon Beacons National Park, an International Dark Sky Reserve, País de Gales
  4. Pic du Midi International Dark Sky Reserve, França
  5. NamibRand Nature Reserve, Namíbia
  6. Aoraki Mackenzie International Dark Sky Reserve, Nova Zelândia
  7. Elqui, Chile
  8. Catalonia, Spain
  9. Big Bend National Park, Texas
  10. Cherry Springs State Park, Pensilvânia
Tags:
ceuviagem