Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Transtornos alimentares: o que são e como tratá-los

Compartilhar

Anorexia, bulimia e compulsão alimentar afligem homens e mulheres

Transtornos alimentares são doenças que podem causar graves problemas físicos, como problemas cardíacos ou insuficiência renal. Muitas vezes eles são combinados com outros problemas como estresse, ansiedade, depressão e uso de drogas.

Os transtornos alimentares frequentemente começam durante a adolescência. Os três distúrbios alimentares mais comuns são a anorexia (as pessoas comem muito pouco porque se percebem gordas), bulimia (as pessoas comem, mas se forçam a vomitar, por motivos semelhantes aos das pessoas com anorexia) e compulsão alimentar (quando a pessoa come em excesso, em grandes quantidades).

Anorexia

Pessoas que sofrem de anorexia basicamente passam fome em seus corpos, o que resulta em um estado de exaustão por falta de nutrição. Essa falta de nutrição pode afetar o corpo de várias maneiras:

  • baixa pressão arterial, frequência respiratória e frequência cardíaca
  • perda de cabelo e unhas quebradiças
  • ausência de menstruação
  • crescimento de lanugo (cabelo macio e fino que pode crescer em qualquer parte da pele)
  • tontura ou incapacidade de se concentrar
  • anemia
  • inchaço nas articulações
  • ossos frágeis

Alguém que pesa pelo menos 15% menos do que o peso médio para sua altura geralmente não tem gordura corporal suficiente para manter saudáveis ​​seus órgãos e outras partes do corpo. Em casos extremos, distúrbios alimentares podem resultar em desnutrição extrema e até morte.

Bulimia

No caso de bulimia, vômitos frequentes e falta de nutrição podem causar os seguintes problemas:

  • dor de estômago constante
  • danos no estômago e nos rins
  • cavidades dentárias (devido à exposição frequente ao ácido do estômago)
  • bochechas inchadas, quando as glândulas salivares ficam permanentemente inflamadas como resultado de vômitos frequentes
  • ausência de menstruação
  • perda de potássio (que pode contribuir para problemas cardíacos e pode até levar à morte)

Compulsão alimentar

Uma pessoa com compulsão alimentar geralmente ganha muito peso e, portanto, corre o risco de contrair diabetes, problemas cardíacos e outras doenças relacionadas à obesidade, sem mencionar a indigestão e sentimento de culpa, depressão e vergonha.

Transtornos alimentares também podem causar problemas emocionais e problemas de relacionamento. Quando alguém está obcecado com seu peso, é difícil se concentrar em qualquer outra coisa. Pode ser exaustivo e avassalador tentar controlar a ingestão de alimentos e fazer exercícios, além de estar em constante estresse em relação à comida e sua própria aparência. Não é de admirar que as pessoas que sofrem de um distúrbio alimentar se tornem mais solitárias e menos sociáveis.

Transtornos alimentares também podem consumir uma grande quantidade de energia mental. As pessoas que sofrem disso podem ficar obcecadas em planejar o que comer; como evitar comer; planejar uma compulsão; obter dinheiro para comprar comida, laxantes ou outros medicamentos; inventar desculpas para ir ao banheiro depois de comer, ou pensar em como dizer às pessoas ao seu redor que elas querem ficar sozinhas depois de uma refeição, etc.

Tratamento de transtornos alimentares

Felizmente, é possível tratar distúrbios alimentares. As pessoas que sofrem dessas doenças podem se recuperar e gradualmente aprender a corrigir seus hábitos alimentares. Transtornos alimentares envolvem corpo e mente; consequentemente, o tratamento e a reabilitação devem estar ao cuidado de médicos, profissionais de saúde mental e nutricionistas.

Em muitos casos, a terapia familiar é fundamental para ajudar a restaurar hábitos alimentares saudáveis. Os pais e outros membros da família desempenham um papel importante no apoio a alguém que precisa recuperar o peso e que tem medo de fazê-lo; quem precisa lidar com o estresse ou outros problemas emocionais sem comer compulsivamente; ou quem precisa aceitar a forma de seu próprio corpo em face dos padrões irrealistas apresentados por nossa cultura.

Aprender a se sentir confortável em estar com um peso saudável é um processo. Leva tempo para desaprender comportamentos e hábitos e substituí-los por outros mais saudáveis. Seja paciente; você pode aprender a aceitar seu próprio corpo, entender seus hábitos alimentares e descobrir a relação entre seus sentimentos e alimentos. Devemos sempre lembrar que é importante enfrentar essas dificuldades com a ajuda de profissionais competentes e, acima de tudo, ter o apoio de nossa própria família.