Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Apelo do Papa em favor do Iêmen: rezemos pelas crianças

CATHOPIC
Cathopic
Compartilhar

“Acompanho com grande preocupação a crise humanitária no Iêmen"

Na oração do Angelus, ao meio-dia, deste domingo (03/02), o Papa Francisco lançou um apelo em favor da paz no Iêmen, país asiático situado na Península árabe, que há mais de quatro anos vive uma guerra que está destruindo a nação, onde, segundo a Onu, “se vive a pior crise humanitária do mundo”.

Na saudação aos vários grupos de fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro, o Pontífice lançou seu apelo com as seguintes palavras:

“Acompanho com grande preocupação a crise humanitária no Iêmen. A população encontra-se extenuada com o longo conflito e muitíssimas crianças padecem a fome, mas não se consegue ter acesso aos depósitos de alimentos. O grito destas crianças e de seus pais sobem a Deus. Faço apelo às partes envolvidas e à Comunidade internacional a fim de favorecer com urgência a observância dos acordos alcançados, assegurar a distribuição do alimento e trabalhar pelo bem da população. Convido todos a rezar pelos irmãos do Iêmen.” Em seguida, o Santo Padre puxou uma Ave-Maria… “Rezemos forte, porque são crianças que têm fome, têm sede, que não têm medicamentos e estão em risco de morte. Levemos para casa conosco este pensamento.”

Na alocução que precedeu a oração mariana, Francisco ressaltou que a liturgia do dia era prossecução da do domingo passado, que havia proposto o episódio da sinagoga de Nazaré, em que Jesus lê uma passagem do profeta Isaias e ao final diz que aquelas palavras se realizam “hoje”, n’Ele.

A liturgia deste IV domingo do Tempo Comum mostra a admiração de seus concidadãos ao ver que um da cidade deles “o filho de José”, pretende ser o Cristo, o enviado do Pai.

Sendo um deles, disse Francisco, “eles consideram que deva mostrar esta sua estranha ‘pretensão’ fazendo milagres ali, em Nazaré, como fez nas cidades vizinhas”. “Mas Jesus não quer e não pode aceitar essa lógica, porque não corresponde ao plano de Deus:

“Deus quer a fé, eles querem milagres, os sinais; Deus quer salvar todos, e eles querem um Messias em favor dos interesses deles. E para explicar a lógica de Deus, Jesus dá o exemplo de dois grandes profetas antigos: Elias e Eliseu, que Deus mandou curar e salvar pessoas não judias, de outros povos, mas que tinham confiado em sua palavra.”

Diante deste convite a abrir o coração deles à gratuidade e à universalidade da salvação, continuou o Pontífice, os cidadãos de Nazaré se rebelam, e até mesmo assumem uma atitude agressiva, que degenera a tal ponto que “se levantaram e o expulsaram da cidade e o conduziram até um cimo da colina com a intenção de precipitá-lo de lá”. “A admiração do primeiro instante transformou-se numa agressão, uma rebelião contra Ele”, acrescentou o Papa.

Francisco ressaltou que esta página do Evangelho (Lc 4,21-30) nos mostra que “o ministério público de Jesus começa com uma rejeição e com uma ameaça de morte, paradoxalmente propriamente por parte de seus concidadãos”.

“Ao viver a missão a Ele confiada pelo Pai, Jesus sabe que deve enfrentar o cansaço, a rejeição, a perseguição e a derrota. Um preço que, ontem como hoje, a autêntica profecia é chamada a pagar.”

O Pontífice observou que, porém, a dura rejeição não desencoraja Jesus, nem cessa o caminho e a fecundidade da sua ação profética. “Ele segue adiante por seu caminho, confiando no amor do Pai”, destacou.

“Também hoje, o mundo precisa ver profetas nos discípulos do Senhor, isto é, pessoas corajosas e perseverantes ao responder à vocação cristã. Pessoas que seguem o ‘impulso’ do Espírito Santo, que as envia a anunciar esperança e salvação aos pobres e aos excluídos; pessoas que seguem a lógica da fé e não dos milagres; pessoas dedicadas ao serviço de todos, sem privilégios e exclusões. Em poucas palavras: pessoas que se abrem a acolher em si mesmas a vontade do Pai e se comprometem a testemunhá-la fielmente aos outros.”

Ainda na saudação aos fiéis e peregrinos presentes o Pontífice ressaltou que na terça-feira, 5 de fevereiro, no Extremo Oriente e em várias partes do mundo, milhões de homens e mulheres celebram o Ano Novo lunar.

O Papa saudou cordialmente todas essas pessoas, fazendo votos de que em suas famílias se pratiquem aquelas virtudes que ajudam a viver em paz consigo mesmas, com os outros e com a criação, convidando-as a rezar pelo dom da paz, a ser acolhido e cultivado com a contribuição de cada um.

(Vatican News)