Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Francisco faz primeira visita de um Papa à Península Arábica

© ALBERTO PIZZOLI / AFP
Compartilhar

"Esta visita não poderia ser mais oportuna", declarou o arcebispo Paul Hinder

O Papa Francisco começa sua visita aos Emirados Árabes no domingo, a primeira na História de um pontífice à Península Arábica, com o objetivo de fortalecer os laços com o Islã.

“Esta visita não poderia ser mais oportuna”, declarou o arcebispo Paul Hinder, bispo do Vicariato Apostólico do Sul da Arábia, que inclui os Emirados Árabes Unidos, Omã e Iêmen.

“Estou feliz de escrever em vossa querida terra uma nova página nas relações entre as religiões, confirmando que somos irmãos, apesar de diferentes”, afirmou o pontífice em uma mensagem em vídeo à população dos Emirados.

Francisco chegará a Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, para uma estada até terça-feira, na qual participará de um encontro inter-religioso e se reunirá com o imã sunita de Al Azhar, xeque Ahmed al Tayeb, a quem já visitou no Egito, em 2017, e define como “amigo e irmão querido”.

Para Francisco, a organização desse encontro inter-religioso reflete “a coragem e a disposição de afirmar que a fé em Deus une e não divide, apesar das diferenças, longe da hostilidade e da aversão”.

Defensor do diálogo com outras denominações cristãs e outras religiões e das visitas à “periferia”, o pontífice argentino já viajou várias vezes aos países muçulmanos: ao Oriente Médio e à Turquia, em 2014; ao Azerbaijão, em 2016; e ao Egito, em 2017.

O príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohamed bin Zayed Al Nahyan, elogiou seu convidado como “um homem de paz e amor”, expressando sua esperança de que “as futuras gerações prosperarão em paz e segurança”.

O sumo pontífice também afirmou que o país que vai visitar é “uma terra que tenta ser um modelo de convivência, de fraternidade humana e de encontro através de diversas civilizações e culturas, onde muitos encontram um lugar seguro para trabalhar e viver livremente no respeito da diversidade”.

– Controle religioso –

Ao contrário de seu vizinho saudita, que proíbe a prática de outras religiões além do islamismo, os Emirados Árabes Unidos querem projetar uma imagem de um país tolerante. Entre sua população, 90% estrangeira, há muitos cristãos, especialmente trabalhadores indianos e filipinos.

Nessa linha, os Emirados, que se orgulham de ter um ministro da Tolerância, declararam 2019 o “Ano da Tolerância”.

Há cerca de um milhão de católicos neste país, adeptos de um Islã bastante moderado, cuja sociedade é bastante aberta ao mundo exterior.

Ainda assim, as autoridades controlam as práticas religiosas e reprimem a contestação política, ou a exploração da religião, até mesmo pelos islamistas.

“Nós não controlamos as orações na sexta-feira, mas as regulamos para o bem comum, para evitar a disseminação do discurso de ódio, como vimos em muitos países, inclusive na Europa”, explicou um líder dos Emirados à AFP.

No último dia de sua visita, terça-feira, o papa Francisco celebrará uma missa, da qual mais de 130.000 pessoas participarão. Será o maior ato religioso já vivenciado pelo país, segundo a mídia local.

Os católicos que compareceram a uma missa ao ar livre na quarta-feira em Dubai fizeram fila por horas na St. Mary’s Catholic Church para conseguir ingressos para essa grande missa no estádio Zayed Sports City, em Abu Dhabi.

As paróquias de todo o país receberam um pacote de ingressos, 41 mil no caso de Santa Maria, segundo o padre Lennie Connully.

– “Segunda oportunidade” –

Mais de 2.000 ônibus transportarão os fiéis de todo país até Abu Dhabi, segundo a imprensa local.

Para a filipina Mylene Lao Estipona, de 43 anos, recuperada de um câncer e que vive no país há 13 anos, a viagem de Dubai a Abu Dhabi e as longas filas para ver o papa são um preço pequeno a pagar para realizar o sonho de sua vida.

Mylene disse que sua fé deu a ela “uma segunda chance” e a força para superar sua doença.

Francisco, que em 2013 se tornou o primeiro papa latino-americano da história, é frequentemente descrito como “o papa do povo”.

“A cultura latina é uma cultura exuberante, uma cultura extrovertida, muito diferente da cultura europeia”, declarou o padre Connully com um sorriso.

“Os latinos são muito diferentes, muito agradáveis, fazem amigos facilmente. Tudo isso é visto no Papa Francisco”, concluiu.

(AFP)