Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As duas primeiras armas do combate espiritual

Compartilhar

A chave é a confiança em Deus e a desconfiança em si mesmo: veja como aplicar

Nossa vida espiritual naturalmente envolve um certo “combate espiritual”, através do qual nos envolvemos em batalhas contra as forças espirituais obscuras neste mundo.

São Paulo falou disso claramente em sua carta aos Efésios: “pois a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais.” (Efésios 6, 12).

No entanto, nem sempre é fácil saber como participar dessa luta espiritual.

O padre italiano Lorenzo Scupoli buscou soluções para esse problema em seu clássico “O combate espiritual”, publicado em 1589. Ali ele explica as duas primeiras armas necessárias em nossa guerra espiritual contínua.

1. Desconfie de si (desconfiança)

Tão necessário é desconfiar de si no combate espiritual, que sem isso você será incapaz não apenas de alcançar a vitória, mas até mesmo de superar a menor das suas paixões.

E que isso fique bem claro em sua mente, pois nossa natureza corrupta nos inclina com facilidade a uma falsa avaliação de nós mesmos, de modo que, sendo realmente nada, nos consideramos algo, e presumimos, sem o menor fundamento, nossa própria força.

Esse autoconhecimento é claramente necessário a todos que desejam estar unidos à Luz Suprema e à Verdade; e a Divina Clemência frequentemente faz uso da queda de homens orgulhosos e presunçosos para conduzir a isso. No sofrimento deles ao cair em algumas falhas em que eles acreditavam poder evitar com sua própria força, é que eles podem aprender a conhecer e absolutamente desconfiar de si mesmos.

2. Confie em Deus (confiança)

A desconfiança de si mesmo, tão necessária, conforme demonstramos, não é suficiente por si só. A menos que estejamos totalmente vencidos nas mãos do inimigo, devemos acrescentar à desconfiança de si mesmo a perfeita confiança em Deus, e esperar apenas Dele o socorro e a vitória.

Pois como nós, que não somos nada, nada podemos buscar em nós mesmos além de quedas, devemos desconfiar de nós totalmente. Mas de Nosso Senhor podemos seguramente esperar a vitória completa em todos os combates. Para obter Sua ajuda, devemos nos armar com uma viva confiança Nele.

Contemplando com o olho da fé a infinita sabedoria e onipotência de Deus, para quem nada é impossível ou difícil, e confiando em Sua ilimitada bondade e indescritível disposição para oferecer, a cada momento, todas as coisas necessárias para a vida espiritual, poderemos alcançar a perfeita vitória sobre nós mesmos, se nos lançarmos com plena confiança em Seus braços.