Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Exorcista alerta: “Os demônios nunca são neutros em política”

Padre Fortea exorcista
Compartilhar

O mal exerce grande influência sobre os poderes deste mundo, mas "a oração é tão poderosa quanto os maiores exércitos ou as maiores fortunas"

O pe. José Antonio Fortea é um dos mais conhecidos exorcistas da nossa época. No seguinte extrato de sua Svmma Daemoniaca, ele fala da relação entre a estratégia do mal e o uso dos poderes terrenos a seu favor. Vale a reflexão.

*

O grande poder do demônio é tentar, e, como os demônios se comunicam entre si, podem coordenar-se para tentar em uma mesma direção.

Em 1932, os demônios compreenderam perfeitamente que, para o cumprimento de seus fins, era necessário tentar as pessoas para que se votasse num candidato que até então era um completo desconhecido: Hitler.

Isto significa que a sua ascensão ao poder se deu pela ação dos demônios? Não. Mas eles, sem dúvida, ajudaram.

Do mesmo modo, devemos recordar-nos que o Santos Padres dos primeiros séculos da igreja, ao tratarem da perseguição contra os cristãos, destacaram como primeira e principal causa a instigação do demônio tanto sobre as massas quanto sobre os governantes.

Outro exemplo poderia ser o do cardeal Nasalli Rocca: em sua Carta Pastoral da Quaresma (Bolonha, 1946), ele escreveu que o secretário do Papa, monsenhor Rinaldo Angeli, tinha contado a ele, várias vezes, que Leão XIII havia tido uma visão em que os espíritos se concentravam sobre Roma; pois bem, esta foi a origem da oração que ele pediu a toda a Igreja que rezasse e que foi expedida aos prelados em 1886.

Sim, os demônios também têm suas estratégias e combinam levá-las a termo. Podem concentrar-se em determinado lugar. Eles ambicionam todas as almas, mas sabem muito bem que algumas pessoas têm o dom de persuadir outras, pela sua cultura, pelo seu poder ou pelo seu dinheiro. As forças do mal, portanto, são conscientes de que essas elites são especialmente desejáveis.

Os demônios nunca são neutros em política: analisam a situação e estão seguros de quais serão as pessoas que mais favorecerão as suas estratégias. Felizmente, o lado do bem tem anjos e muitas pessoas que, com a sua oração, destroem os planos das trevas. Por isso a oração e o sacrifício são tão importantes. Os mosteiros e as pessoas orantes são as forças invisíveis que não somente combatem o poder do inferno neste mundo, mas também remetem abundantemente a nós todo tipo de bênção.

Em qualquer caso, a explicação de uma luta invisível de poderes espirituais não nos deve fazer esquecer que os autores da nossa história somos nós mesmos. Essas forças invisíveis do mal não são mais que uma influência, e, no final das contas, cada homem faz o que quer e é responsável pelos seus atos. Nem todos os demônios do mundo podem obrigar alguém, ainda que seja um pecador, a tomar uma decisão se ele decide tomar outra.

A oração é tão poderosa quanto os maiores exércitos ou as maiores fortunas. Só com a sua oração, uma pessoa humilde e desconhecida pode, por exemplo, evitar guerras e impedir que ideologias malignas chegam ao poder. Só os demônios sabem até que ponto a oração é temível para eles.

___________

Pe. José Antonio Fortea, exorcista espanhol, na “Svmma Daemoniaca”, 78, 79.