Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

© Vincenzo PINTO / AFP
Le pape François à Abou Dabi, le 4 janvier 2019.
Compartilhar

"Vocês são chamados a oferecer um sinal da dedicação desinteressada"

O Papa Francisco recebeu nesse sábado os membros da Associação Nacional dos Magistrados da Itália, que nestes dias celebra 110 anos da sua fundação. Suas palavras foram centralizadas sobre o valor fundamental da justiça para o equilíbrio da sociedade.

“A tradição filosófica apresenta a justiça como uma virtude cardeal – disse o Papa – e a virtude cardeal por excelência, porque à sua realização concorrem também outras: a prudência, que ajuda a aplicar os princípios gerais de justiça às situações específicas; a fortaleza e a temperança que aperfeiçoam a consecução”.

Portanto é uma virtude cardeal porque indica a direção correta, pois “sem justiça toda a vida social permanece bloqueada.

As tarefas do magistrado, recordou Francisco, “são a promoção dos valores constitucionais, vigilância das regras democráticas, e serviço ao bem comum”. Porque o magistrado continuou o Papa, é o “interlocutor privilegiado” para os órgãos legislativos do Estado exatamente pelo “conhecimento direto da vida dos cidadãos”.

“Em uma época na qual com frequência a verdade é falsificada, e somos quase envolvidos em um turbilhão de informações fugazes, é necessário que vocês sejam os primeiros a afirmar a superioridade da realidade sobre a ideia; de fato, a realidade simplesmente é, enquanto que a ideia se elabora”.

O Papa prossegue recordando o compromisso dos magistrados no acertamento da realidade dos fatos que como se sabe, é mais difícil pela quantidade de trabalho que lhe é confiada e pela necessidade de precisão, aprofundamento e esforço continuado de atualização. Depois adverte os Magistrados.

“Em um contexto social no qual cada vez mais se considera normal, sem nenhum escândalo, a busca do interesse pessoal, em detrimento do coletivo, vocês são chamados a oferecer um sinal da dedicação desinteressada”.

Recordando a importância da sentença de um tribunal o Papa disse.

“O tempo e o modo com o qual a justiça é administrada tocam a carne viva das pessoas, principalmente as mais fracas, deixando nelas sinal de alívio e consolação, ou feridas de esquecimento e de discriminações”.

No seu modo de administrar a justiça o magistrado deve sempre respeitar a dignidade de todas as pessoas “sem discriminações e preconceitos de sexo, de cultura, de ideologia, de raça, de religião”, sempre com um “olhar de bondade”, quase misericordioso que favoreça a busca da verdade de modo mais autêntico.

Por fim o Papa conclui dizendo: “Que a elevada inspiração moral, manifestada com nitidez no Código Ético da Magistratura, anime sempre a ação de todos para que sejam bem mais do que funcionários, que sejam modelo para todos os cidadãos, em particular para os mais jovens”.

(Vatican News)