Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O péssimo hábito que acaba com qualquer relacionamento

IMPATIENT
Shutterstock
Compartilhar

Muita gente luta contra ele

Recentemente, comecei a perceber o quanto sou impaciente e o quanto isso machuca as pessoas com as quais eu me relaciono – de familiares e amigos a conhecidos e colegas de trabalho.

Quantas vezes eu ignoro alguém porque minha mente está em outro lugar, nas COISAS MAIS IMPORTANTES que preciso fazer – aqueles itens sempre presentes na minha lista de tarefas diárias?

Eu acho que muita gente é assim e luta contra este péssimo hábito. 

Às vezes você está fazendo compras e alguém não para de falar no seu ouvido e você já deveria ter saído do supermercado para ir pra casa e começar o jantar. 

Há também casos em que você está tentando finalizar um artigo antes do deadline e o seu bebê começa a bater em seu laptop com uma espada e quer travar um duelo com você. 

E quando aquela tia te telefona bem na hora que você está assistindo um vídeo interessante e te obriga a silenciar o filme e ativar a legenda para não perder nem a ligação nem o passatempo?

Em todos esses exemplos, seu item da lista de tarefas supera a atenção total à outra pessoa por alguns minutos? Não.

Eu percebo isso na minha vida o tempo todo.

E sabe quando minhas amizades desmoronam, ao invés de prosperarem? Quando deixo minha lista de tarefas se tornar a coisa mais importante da minha vida e fico sem tempo para fazer uma ligação ou planejar um café com as amigas. Ou quando não dou muita atenção a uma conversa porque estou preocupada com outras coisas.

Sabe quando meu relacionamento com meu marido é mais tenso? Quando estou frustrada pela forma como ele faz as coisas, e simplesmente as assumo e faço do meu jeito. Quando eu não quero ouvir o que ele está dizendo, porque ele está demorando muito para falar. Aí, eu tento terminar a conversa rapidamente ou mudar de assunto para que isso atenda os meus objetivos no momento.

Sabe quando meu relacionamento com meu filho fica mais tenso? Quando não explico o que está acontecendo. Quando eu apenas faço as coisas para ele, porque estou com pressa, em vez de ajudá-lo a aprender como fazê-las. Quando eu não consigo lidar com suas perguntas incessantes e insistentes, e apenas quero me enrolar em uma bola e me esconder, em vez de responder.

Sabe quando meu relacionamento com Deus fica mais tenso? Quando eu evito tirar um tempo para rezar ou me sento impacientemente na Missa, esperando apenas que ela acabe logo para que eu possa continuar com a minha vida.

Essas são algumas das maneiras pelas quais a impaciência afeta meus relacionamentos. Mas uma melhor motivação para mim – ao invés de apenas focar em como a impaciência pode ser prejudicial – é focar em ser paciente e engajada no momento.

Nós conversamos sobre isso recentemente no pequeno grupo de mulheres que frequento em minha paróquia e compartilhamos histórias de pessoas em nossas vidas que nos fizeram sentir ouvidas e vistas quando conversaram conosco – pessoas que colocaram todo o seu foco em nós durante uma conversa e foi como se o resto do mundo não importasse para elas. Só nós. Nessas situações, você se sente compreendida, vista e, honestamente, amada.

Meu objetivo é me esforçar para ser mais parecida com essas pessoas. Não importa o quão ocupada eu esteja, eu quero ser capaz de dar toda a atenção para quem estiver na minha frente.

Então, adeus velho eu impaciente e olá para o novo eu paciente!

Quero tratar os outros com o respeito e o tempo que eles merecem e esperam.