Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O risco da exploração sexual infantil na Internet

DIGITAL
twin design - Shutterstock
Compartilhar

Está ameaçando a saúde moral e mental de toda uma geração

Um novo relatório do Departamento de Justiça norte-americano que investiga tráfico sexual infantil concluiu que a Internet é o elemento chave na facilitação da exploração sexual, uma categoria de abuso infantil.

Especialistas sobre o tema, entrevistados pelo Catholic News Service (CNS), afirmaram que o acesso universal à pornografia violenta encontrada na internet funciona como normalizador da agressão sexual, e isso levou a um aumento nos casos de crianças que abusam de outras crianças.

Vanessa Bouche, professora de ciência política da Universidade Cristã do Texas, estudou o relatório, juntamente com as entrevistas de 260 sobreviventes de exploração infantil. Ela considera que a internet também facilita a prostituição através de anúncios, em 75% dos casos. A idade média dos entrevistados para o estudo foi de 15 anos.

Das vítimas, constatou-se que 76% dos casos de abuso em que a criança tinha entre 1 e 10 anos foram perpetrados por membros da família. Outros abusadores vêm de membros de sua rede social ou são estranhos.

Mary Anne Layden, diretora do programa de trauma sexual e psicopatologia do Departamento de Psiquiatria da Universidade da Pensilvânia, alerta que a nossa sociedade permite a “exposição quase universal” das crianças à pornografia. Ela observa que a próxima geração de americanos está sujeita a uma “educação errônea sobre intimidade e sexualidade”.

Quase 90% da pornografia avaliada por pesquisadores é violenta, então os meninos estão sendo ensinadas: as mulheres gostariam de ser forçadas, as mulheres gostariam de ser estupradas, punidas, sufocadas, amordaçadas e esbofeteadas.

A representação de mulheres desfrutando ou agindo de maneira neutra em relação a maus-tratos, diz Layden, é uma “ferramenta de ensino maciçamente eficaz”, no entanto, as lições que eles ensinam são “tóxicas”.

Em uma carta pastoral de 2015 sobre pornografia, os bispos católicos dos EUA lamentaram a prevalência da pornografia e o efeito que ela tem no modo como nossos filhos veem o amor:

Estar exposto à pornografia pode ser traumático para crianças e jovens. Ver isso rouba sua inocência e dá a eles uma imagem distorcida de sexualidade, relacionamentos, homens e mulheres, o que pode afetar seu comportamento. Isso também pode torná-los mais vulneráveis ​​a serem abusados ​​sexualmente, uma vez que a compreensão que eles têm do comportamento apropriado pode ser prejudicada.

Um dos resultados mais assustadores da exposição infantil à pornografia tem sido um aumento nos casos de exploração sexual infantil.

Dawn Hawkins, vice-presidente sênior e diretor executivo do Centro Nacional de Exploração Sexual (NCOSE – sigla em inglês para National Center on Sexual Exploitation), acredita que o aumento no “comportamento sexual prejudicial” em menores é um resultado direto da “exposição precoce à pornografia pesada”.

Sabemos que o abuso sexual de crianças leva a depressão, ansiedade, baixa autoestima, autolesão, transtorno de estresse pós-traumático, comportamentos sexuais de risco, saúde física precária e outras dificuldades. Muitas vezes antecede a entrada de um indivíduo na prostituição.

Assim, o trauma experimentado por esse grupo de crianças, causado pela exposição de um cérebro imaturo à pornografia, pode levar anos, até décadas, para se desfazer.

Oferecendo um raio de esperança para a situação, o relatório constatou que os jovens infratores que recebem reabilitação não parecem continuar esse comportamento ofensivo na idade adulta. Em resposta a isso, Hawkins afirma que são necessários mais dados. Historicamente, uma baixa porcentagem de vítimas se apresenta para denunciar abusos e esse número cai ainda mais para episódios que ocorrem na idade escolar.

Bloqueio de sites

Parece haver uma luz no fim do túnel, já que mais empresas privadas estão agindo contra o abuso sexual na internet. O Boston Pilot relata que o Tumblr, agora propriedade da Verizon, anunciou em dezembro passado que não suportaria mais conteúdo pornográfico ou “adulto”, depois de descobrir que a pornografia infantil havia passado pelos seus filtros.

Da mesma forma, a Starbucks anunciou que bloqueará sites pornográficos do Wi-Fi gratuito de suas lojas. A decisão foi tomada depois que eles foram pressionados pelo grupo Enough Is Enough, da Carolina do Sul.

Existem inúmeros sites disponíveis para a reabilitação de crianças que foram expostas à pornografia na Internet. Um desses sites é o Protect Young Minds, que oferece orientação para pais que desejam alertar seus filhos sobre os perigos da pornografia na internet e maneiras de ajudar a impedir que crianças já expostas voltem a esses sites.