Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconReligião
line break icon

Missa: liturgia eucarística

PRIEST,EUCHARIST,HOST,CONSECRATION

Jeffrey Bruno | Aleteia

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 17/02/19

Além do pão e do vinho, matérias do Sacrifício, os fiéis ofertavam alguns produtos

Hoje, entrarei na parte da Liturgia Eucarística, cujo significado é teologicamente muito rico e, por isso, merecedor de atenção.

É São Justino (†165) quem, no início do século II, descreve o momento chamado das ofertas – que parecia muito simples – com as seguintes palavras: “Quando cessamos de orar [a Oração da Comunidade – nota minha], são levados pão, vinho e água àquele que preside… o qual eleva aos céus orações e ações de graças” (Apologia I, 65. 67).

Além do pão e do vinho, matérias do Sacrifício, os fiéis ofertavam alguns produtos como leite, mel, frutas etc., a fim de servirem ao sustento da Igreja e dos mais necessitados da comunidade. Tais ofertas eram bentas antes do Pai-Nosso e distribuídas aos fiéis após a Missa em uma refeição fraterna (ágape). Com o tempo, se passou a coletar dinheiro por ser mais fácil e, embora tenha havido variações na forma de fazer a coleta ao longo dos anos, ainda hoje as contribuições são recolhidas no momento das oferendas.

Segue-se, após as ofertas, o Convite “Orai irmãos…” e a Oração sobre as oferendas, na Idade Média chamada de secretas, por ser, naquele tempo, feita em voz baixa. Importa lembrar que antes, porém, ainda durante o Canto das Oferendas, existem as Orações de oferta do Pão e do Vinho, introduzidas nos séculos IX e X e substituídas, no século XX, pelo Papa Paulo VI ao reformar a Liturgia. Vem dessa reforma a fórmula rezada hoje: “Bendito sejais Senhor Deus do Universo… pelo pão… pelo vinho…”, que são preces, certamente, proferidas pelos judeus do tempo de Jesus, de um modo especial por São José e Nossa Senhora, em suas refeições.

Aqui vale a pena refletir um pouco, ainda, sobre o que acontece, mas pode passar despercebido no momento do Canto das Oferendas, dado que esses acontecimentos têm um simbolismo muito profundo. Infundir água no vinho era comum nas refeições antigas, daí esse gesto ter passado para a Liturgia da Missa com belos significados teológicos.

Ei-los: 1) significa a natureza humana unida à natureza divina de Cristo no mistério da Encarnação. O significado é aceitável, pois os monofisistas (corrente que professava uma só natureza em Cristo, a divina) não misturavam água no vinho. Diante disso, o Concílio de Florença (1438) declarou esse rito de infusão obrigatório; 2) significa a participação dos cristãos na natureza divina, uma vez que, pelo Batismo, nos tornamos filhos no Filho (cf. Gl 4,5). Esta afirmação é também válida, de modo que Martinho Lutero, protestante, não aceitava a colocação da água no vinho, pois dizia ser o homem indigno de participar da comunhão com Deus. Em resposta, o Concílio de Trento (1545) declarou ser indispensável a mistura de água e vinho na preparação das oferendas.

Isto posto, comenta, de modo muito apropriado, Dom Estêvão Bettencourt, OSB, Curso de Liturgia, p. 90, que a atual Liturgia professa, ao mesmo tempo, as duas interpretações quando reza, na infusão da água no vinho: “Pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da Divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade”. E mais: “Em síntese, pode-se dizer que, mediante esse gesto tão simples, o eu do ofertante se deve mergulhar, como uma gota de água, no sacrifício de Cristo”.

Feita a oferta do pão e do vinho, o celebrante pode incensá-los e incensar também o altar como sinal de louvor a Deus (cf. Lc 1,9) por meio da prece dos cristãos (cf. Sl 139,2; Ap 8,3-4). Tem-se, em seguida, o momento da Purificação das mãos ou do Lavabo, que quer nos ensinar duas coisas: a) a teológica: ninguém deve tocar nas coisas santas a não ser com as mãos puras; b) a prática: purificar as mãos após ter tocado nos dons naturais outrora ofertados. Hoje, embora com sentido meramente simbólico no aspecto prático, o Lavabo não deve ser omitido pela razão teológica que traz consigo.

Tags:
EucaristiaMissa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia