Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

9 ideias para aprender com os japoneses o Kintsugi ou a arte da resiliência

KINTSUGI
Shutterstock-Lia_t
Compartilhar

Se você tiver uma ferida emocional, aplicar o Kintsugi pode ajudá-lo a sair fortalecido dessa experiência

Talvez você nunca tenha ouvido falar de Kintsugi. Mas certamente você já disse ou ouviu: seja forte. Na cultura japonesa, a virtude da força é algo que é especialmente valorizado. Indica inteligência, senhorio sobre o que acontece à nossa volta, controle do nosso corpo e da nossa mente.

A palavra Kintsugi significa literalmente “junção de ouro”. O termo era usado para designar a maneira pela qual no Japão do século XV se consertavam peças de cerâmica quebradas. Hoje essas peças são encontradas em museus, coleções particulares ou fazem parte do patrimônio de uma família. É a arte de recompor.

A recomposição de uma tigela com juntas douradas embeleza a peça e diz que ela tem uma história digna de valor. Este é também o caso do nosso coração: por que não tirar algum proveito das feridas emocionais e das experiências ruins que sofremos?

O Kintsugi ensina várias maneiras de aprender a ser forte e resiliente perante o que vivenciamos e o que está por vir. Descubra como você pode aplicá-lo à sua vida para alcançar os benefícios.

Não tenha medo da memória

Conte, numere e monte as peças do seu quebra-cabeça. Revisite o seu passado não se machucar, mas para ser realista e recompor-se a partir de lá. Assim, você dará a cada ferida a medida real que ela tem em relação a toda a sua vida. Não esconda a cabeça debaixo da asa, mas, pelo contrário, encare o passado como algo que é parte de você e que deveria servir como lição de vida.

Você precisa de cola

O Kintsugi original usa uma cola feita com uma mistura de farinha de trigo e verniz “urushi” (resina da árvore da laca). Veja um detalhe: a resina é altamente tóxica, mas nos servirá para algo muito positivo, que é recompor. Aplicando isso à vida de um cristão, nas palavras de São João da Cruz: “Onde não há amor, adicione amor e você extrairá amor”. Se na ferida emocional aplicarmos perdão e amor, a cura será de grande valor.

Deus te quer que completo

Não é nem realista nem positivo querer enterrar uma parte do seu ser ou do seu passado. O seu presente e o seu futuro são construídos aproveitando tudo para lhe dar uma nova força.

Você tem carências?

Ao tentar recompor um objeto, talvez falte alguma peça. No Kintsugi, você refaz a peça que faltava com pó de pedra. O pó mineral é chamado de “tonoko”.

Tente selecionar quais destes valores chamam a sua atenção: autonomia, celebração da vida, realização dos sonhos, autenticidade, criatividade, aceitação, proximidade, apreço, honestidade, amor, alimentação, sexualidade, atividade física, diversão, risadas, harmonia, ordem, paz… Então você saberá o que está procurando. Em um momento de meditação ou oração, você pode refletir sobre as palavras e valores que escolheu.

Você pode preencher lacunas com outras peças

No processo de cura emocional, é importante pensar que não estamos sozinhos. Depressão e tristeza às vezes nos fazem pensar que ninguém vai nos ajudar, e que não queremos ser um fardo. Mas esse não é o caso. No Kintsugi é permitido usar peças que fazem parte de outros objetos. A mistura enriquece e completa. Tire proveito de seus amigos: é bom para todos nós ser generosos e ajudar os outros. Os humanos, por natureza, precisam de colaboração recíproca. Peça conselhos aos seus amigos, converse, tenha tempo para um café e compartilhar os seus problemas. Integre bem em sua vida os familiares e amigos que lhe sirvam de modelo por algum motivo.

Aguente

Seja constante. Repita a boa atitude. Um dia depois do outro. Quando, no Kintsugi, juntamos duas peças, precisamos segurar até que seque. Isso requer paciência, calma. Isso nos ajudará a saber o significado do que estamos fazendo. Se eu souber que preciso fazer uma caminhada todos os dias porque isso é benéfico para a minha saúde, será mais fácil para mim fazê-lo.

A respiração é chave

A ciência nos diz que o melhor regenerador celular é o oxigênio que respiramos. Ele também nos ajudará a melhorar a cura de nossas feridas e a levar uma vida mais ordenada e harmoniosa. Ordem e harmonia são alcançadas quando há coordenação cardíaca. Praticar esportes e cantar são bons colaboradores. Isso tem a ver com o Kintsugi? Aparentemente não, mas cada peça precisa “respirar”. Mais uma vez insistimos em outro aspecto: a resiliência é obtida ao longo do tempo, não é uma questão de dois segundos.

Descanso

Ninguém cura se não se recuperar conforme à necessidade. Precisamos descansar para que a tranquilidade retorne para nós. Recomenda-se o descanso no processo de cura e fortalecimento. Assim, veremos o passado em outra perspectiva, com mais distanciamento, mais capacidade de ser positivos e olhar para frente.

Cultive sua singularidade

Você sabia que algumas peças de Kintsugi transformam as linhas das rupturas em parte de um desenho? Com o ouro você pode desenhar figuras no objeto e integrar as linhas do passado doloroso. É o que algumas pessoas fazem depois de superar uma dificuldade ou doença, por exemplo, quando se tornam palestrantes ou testemunhas de superação. Só você será capaz de falar com tal autoridade sobre um assunto que você conhece em primeira mão e superou.