Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A grosseira teimosia abortista da “Maré Verde” ataca novamente na Argentina

Maré Verde Argentina aborto
Compartilhar

Mesmo derrotada pelo Senado, que rejeitou a aprovação do aborto, a ideologia é teimosa e parece fazer questão de provocar repulsa

Os meios de comunicação da Argentina deram amplo destaque (para variar) à assim chamada “Maré Verde”, uma série de manifestações a favor do aborto em diversas cidades do país. O nome se deve ao lenço verde usado pelos manifestantes que defendem a existência do “direito” a exterminar um ser humano em gestação.

Parcialidade midiática

Embora os eventos ocorridos nesta terça, 19 de fevereiro, tenham reunido em torno de 150 mil pessoas em Buenos Aires, o que é simplesmente 20 vezes menos gente que os 3 milhões de participantes da Marcha pela Vida organizada na mesma cidade em prol dos direitos do nascituro em 2018, a mídia deu muito mais espaço à manifestação abortista do que à mobilização em defesa da vida do bebê e da gestante.

Teimosia ideológica

Os protestos desta semana pretendem pressionar o governo argentino a levar adiante pela enésima vez as propostas de mudança legislativa sobre o aborto, já que o movimento abortista sofreu uma retumbante derrota em agosto de 2018 quando o Senado rejeitou a legalização do aborto livre em todo o país.

Eufemismos em pauta

A mobilização abortista defendeu também que, no currículo de Educação Sexual nas escolas argentinas, os conteúdos a serem apresentados aos alunos sigam as diretrizes do “Programa Nacional de Saúde Sexual e Procriação Responsável” e do “Protocolo para Atenção Integral de Pessoas com Direito à Interrupção Voluntária da Gravidez”, duas peças ideológicas que se valem de eufemismos para defender o aborto e as pautas da ideologia de gênero. Os mesmos recursos eufemísticos, aliás, são amplamente usados também nas discussões pró-aborto no Brasil.

Vidas pisoteadas

A chocante imagem que ilustra este artigo foi divulgada pela página O Catequista News no Facebook.