Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Guia de uso de eletrônicos para crianças de 3-6-9-12

TELEVISION
Africa Studio - Shutterstock
Compartilhar

Desenvolvido por especialistas, este é um guia extremamente simples e útil

Os médicos são unânimes em sua opinião de que a exposição precoce a dispositivos eletrônicos leva a muitos distúrbios em crianças.

Estudos mostram que muito tempo de tela pode causar problemas de visão em crianças, e muitos relatórios mostram distúrbios relacionados ao sono, concentração, comportamento, linguagem e muito mais. A lista apenas continua a crescer.

Para ajudar os pais a fornecerem aos filhos uma norma saudável para o uso da tela, o psiquiatra Serge Tisseron criou a regra 3-6-9-12, articulada em torno de quatro etapas essenciais da vida de uma criança: pré-escolar, ingresso no ensino fundamental, o domínio da leitura e da escrita e a transição para o ensino médio. Aqui está a regra que ele propõe:

Nenhum dispositivo eletrônico antes dos 3 anos de idade

Embora saibamos que mais de dois terços das crianças menores de dois anos assistam à TV todos os dias, é útil recordar essa regra básica, amplamente sugerida pelos pediatras. Tisseron ressalta que a melhor maneira de promover o desenvolvimento das crianças é que seus pais brinquem com elas, e não que elas assistam à TV ou joguem em dispositivos eletrônicos. Deixar a televisão ligada pode ser prejudicial para o aprendizado das crianças, mesmo que elas não estejam assistindo.

Nenhum videogame antes dos 6 anos

“Assim que os jogos digitais são introduzidos na vida da criança, eles chamam sua atenção, e isso é, obviamente, à custa de suas outras atividades”, diz o psiquiatra. Em média, as crianças passam 30 minutos por dia em frente aos seus videogames. Mas antes de entrar em videogames, as crianças precisam descobrir seus próprios dons manuais e sensoriais.

Para evitar que as crianças se sintam “donas” de um videogame ou tablet, o que dificulta o controle de seu uso, Tisseron convida os pais a declarar que todos os dispositivos digitais usados ​​pelas crianças pertencem a toda a família. Quando você tiver mais de um filho, faça um cronograma para quem usa os dispositivos e a que horas.

Sem internet antes dos 9 anos, e depois, apenas acompanhado por um adulto até o ensino médio

Segundo Tisseron, o acompanhamento dos pais ao uso da internet não se destina apenas a impedir que a criança seja confrontada com imagens violentas ou pornográficas. Os pais também devem apontar três regras essenciais: tudo o que colocamos online pode acabar no domínio público, tudo o que colocamos online permanecerá lá para sempre, e tudo o que encontramos online é questionável porque não podemos saber se é verdade ou se é falso sem verificar fontes confiáveis. O pai/mãe deve estar presente para fazer isso, planejando com a criança o tempo a ser reservado para o uso do computador e tendo tempo para conversar com ela sobre o que ela vê e faz.

Internet liberada a partir dos 12 anos, mas com cautela

Mesmo nessa idade, o apoio dos pais é necessário. Os pais precisam definir com seus filhos as regras a serem seguidas, concordar com as programações predefinidas para estar online, estabelecer um sistema de controle. Este é o momento para conversar sobre download, plágio, pornografia e intimidação, e desligar o Wi-Fi e telefones celulares à noite.

É claro que essas regras precisam ser adaptadas a cada família e às necessidades e ao nível de maturidade de cada criança. Versões mais detalhadas e diferenciadas dessas diretrizes podem ser encontradas na versão em inglês do panfleto 3-6-9-12. Serge Tisseron foi premiado ​​pelo desenvolvimento do guia 3-9-6-12 pelo Family Online Safety Institute em 2013, em Washington, D.C.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.